Rapper sem preconceitos, Hungria Hip Hop canta sobre o que aprendeu na vida: 'Minha influência é a vivência' [ENTREVISTA]

Hungria Hip Hop lançou recentemente a música autobiográfica 'Primeiro Milhão' e reflete sobre o início da carreira

Isabela Guiduci Publicado em 09/12/2019, às 17h48

None
Hungria Hip Hop (Foto: Gabriel Brasil)

A luta da mãe que trabalha em casas de família fazendo faxinas diariamente para dar melhores condições aos filhos foi a realidade do rapper brasileiro de 28 anos Gustavo da Hungria Neves, conhecido pelo nome artístico, Hungria Hip Hop. Desde o início da carreira do brasiliense, aos 14 anos, uma das motivações dele foi dar melhores condições à mãe, Raquel da Hungria

E, é exatamente sobre isso que reflete "Primeiro Milhão", mais novo single do cantor, com clipe lançado recentemente. Uma mensagem de resistência. Hungria Hip Hop colocou a própria vida dentro da composição a partir da dificuldade financeira vivida quando mais novo. 

+++LEIA MAIS: Os 100 melhores discos da década de 2010, segundo a Rolling Stone EUA [LISTA COMPLETA]

Lançado em 22 de novembro, o clipe de "Primeiro Milhão" ultrapassou os 8 milhões de visualizações no Youtube

O single anterior do rapper, "Um Pedido", segue a mesma temática de "Primeiro Milhão": "Acho que todas as minhas canções são baseadas em tudo que vivo e vejo. E, essas músicas [Primeiro Milhão e Um Pedido] são totalmente autobiográficas. Acho que quando a gente escreve verdades, a possibilidade de atingir um número de pessoas que se identifica com isso é bem maior",  contou Hungria em uma entrevista à Rolling Stone Brasil.

Para ele, a "influência é a vivência". 

A carreira do músico começou bem cedo. Aos 14 anos, lançou "Hoje tá embaçado": "Estava no estúdio com o grupo de funk Bonde Tesão e aí cheguei lá, falaram: ‘Cê sabe cantar, canta aí’. Aí a gente pegou um beat da internet e eu cantei. E, criamos essa música aí, mas foi muito da hora. Parecia que estourava uma bomba de um misto de sentimentos dentro de mim."

+++LEIA MAIS: Os 25 melhores discos brasileiros do 2º semestre de 2019, segundo a APCA [LISTA]

Mas cantar rap não foi bem uma opção: "Naquela época, o rap era estouro na quebrada onde eu morava. Os carros que passavam lá já tocavam rap pra cima e pra baixo. Não tinha a projeção nacional que tem hoje. Então eu não tive outra opção, porque o rap é o estilo que eu fui criado e eu me apaixonei."

Em 2009, lançou a mixtape Hip-Hop Tuning com 16 músicas com hits como "Paga Pau" e "Um Ciclo Foda". O disco de estúdio Meu Carona teve a estreia em julho de 2015. Nele, integram os sucessos "Carruagem", "O Playboy Rodou" e "Zorro do Asfalto" que juntos somam mais de 167 milhões de visualizações no Youtube. 

O rapper conquistou números altíssimos com os singles e também com colaborações como "Quebra-Cabeça" com Lucas Lucco que conta com mais de 111 milhões de visualizações no Youtube. O músico também colaborou com Gusttavo Lima em "Vou te buscar" com 123 milhões de streams na plataforma. No início deste ano, fez uma parceria com Claudia Leitte em "Saudade".

+++LEIA MAIS: Beatles, Led Zeppelin e Black Sabbath: as 11 músicas de abertura de discos mais incríveis do rock

"Quando gravei com eles as pessoas começaram a conhecer o meu trabalho tipo: ‘Quem é esse moleque aí?’. Acho algo incrível. As pessoas que não me conheciam passaram a conhecer e me acompanhar. Também acho que a gente não pode ficar preso em um gênero, sou um moleque totalmente desprendido de gêneros musicais. Tudo é música e o rap é o que mais se encaixa em qualquer outro gênero musical", revelou.

O rapper foi muito criticado por essas escolhas de mistura de gênero: "O rap é música e diversidade também. Ele prega uma parada de não preconceito, de política social e os cara tinha preconceito comigo: ‘E esse playboy cantando rap aí?’. Os mesmos caras que pregavam sobre direito, tiravam o meu direito. E na real era esse cara que não tava fazendo po*** nenhuma pela história do rap", explicou. 

+++LEIA MAIS: The Strokes, Ramones e Guns N' Roses: Os 15 melhores discos de estreia de todos os tempos

Atualmente, com 28 anos e com uma carreira iniciada na adolescência, o músico acredita que evoluiu bastante durante esse período. A maneira de escrever e de enxergar a vida "mudaram para car*****" e isso influenciou diretamente nas músicas dele. 

Hungria tem uma relação bem direta com Deus e tem muita fé. Segundo o rapper, ele conversa todos os dias com Deus e "Ele sabe dos desejos do meu coração", por isso o músico acredita fielmente que esse é só o começo da carreira e o melhor ainda está por vir. 

Assista ao clipe de "Primeiro Milhão":


+++ SCALENE SOBRE RESPIRO: 'UM PASSO PARA TRÁS, RESPIRAR E VER AS COISAS DE UMA FORMA NOVA'