Regina Duarte canta música da ditadura e minimiza torturas e mortes em entrevista

A secretária de Cultura também explicou por que não emitiu nenhuma nota oficial sobre as mortes de artistas durante a crise da covid-19

Redação Publicado em 08/05/2020, às 07h48

None
Regina Duarte em entrevista à CNN (Foto: Reprodução/CNN Brasil/Twitter)

Regina Duarte, secretária especial de Cultura, gerou novamente polêmica ao cantar “Pra Frente Brasil”, música associada ao período da ditadura militar, em uma entrevista exclusiva com a CNN

A atriz da Globo ainda disse para o jornalista Daniel Adjuto: "Não era gostoso cantar isso?". O repórter tentou lembrar Reginadas inúmeras mortes que ocorreram no governo comandado pelos militares no Brasil, mas a artista minimizou a história das vítimas. 

+++ LEIA MAIS: Regina Duarte acredita que demissão pode estar próxima, sugere áudio

“Na humanidade, não para de morrer [gente]. Por que as pessoas ainda ficam ó [chocadas]? Não quero arrastar um cemitério de mortos nas costas [...] Se você falar da vida, do lado tem a morte. Sempre houve tortura, censura. Sou leve, estou viva. Estamos vivos, vamos ficar vivos? Não vive quem fica arrastando cordéis de caixões.”

Regina também afirmou o posicionamento do governo de Jair Bolsonaro em relação à crise do coronavírus e explicou por que a Secretaria Especial de Cultural não publicou nenhuma mensagem de solidariedade aos diversos artistas que morreram recentemente por causa da doença, como Daisy Lúcidi

+++ LEIA MAIS: Regina Duarte dá 'chilique' na televisão após ouvir mensagem de Maitê Proença

“Será que eu vou ter que virar obituário? Quantas pessoas a gente está perdendo? Teve uma semana que foram três. Tem pessoas que eu não conheço. Aldir Blanc eu admiro, mas não conheci”, disse Regina

Em seguida, ela completou: “O país está cultuando a memória deles, não precisa da Secretaria de Cultura. Pode ser que eu esteja errando, vou me corrigir. Não fiz por mal, peço desculpas, falei com as famílias, lamentei a perda...Nessa hora a pessoa que está mais constrangida pela perda é a família, e eu queria falar com elas diretamente, não por um papel timbrado da Secretaria”. 


+++ MINHA PLAYLIST.... FRANCISCO, EL HOMBRE | ROLLING STONE BRASIL