Ringo Starr e Robbie Robertson trabalharam 2 anos no clipe de ‘The Weight’ - agora, você pode assistí-lo

A música foi gravada com artistas de diversos países

PATRICK DOYLE, Rolling Stone EUA Publicado em 24/03/2020, às 16h09

None
Ringo Starr e Robbie Robertson (Foto: Reprodução)

“Em que tom está, Robbie?”, pergunta por telefone Ringo Starr, sentado atrás de uma bateria, para Robbie Robertson. O que acontece a seguir é um cover alegre de "The Weight", com Robertson reprisando a introdução emocionante da gravação. Uma série de músicos de todo o mundo, como Marcus King, Lukas Nelson, Char, a cantora de soul do Congo Mermens Mosengo e muito mais, adicionam o próprio sabor de diferentes locais ao clássico.

O projeto vem do Playing For Change, um grupo dedicado a "quebrar as fronteiras e superar as distâncias entre as pessoas". Isso inclui 15 escolas de música em 11 países, bem como documentários e vídeos virais, os quais reúnem artistas de diferentes culturas.

+++ LEIA MAIS: Vocais isolados de Ringo Starr em ‘The Octopus's Garden’ mostram grandiosidade do baterista dos Beatles; ouça

O grupo lançou vídeos para "Redemption Song", "What’s Going On” e outras. "The Weight" foi feito em escala épica durante um ano e meio de produção nos cinco continentes. "Fizemos isso de tijolo por tijolo, começando por Robbie", disse o co-fundador Mark Johnson, um produtor-engenheiro vencedor do Grammy que trabalhou com Paul Simon, Keith Richards e mais. 

"É isso que torna isso especial. Nós nunca poderíamos ter reunido esse grupo no estúdio. Você precisa ir até lá e, quando vai, fica onde eles se sentem confortáveis. Você ouve isso na música”, continua Johnson.

+++LEIA MAIS: Bateria isolada de Ringo Starr em ‘Strawberry Fields’ prova que baterista dos Beatles é melhor do que muita gente pensa

Confira entrevista de Mark Johnson para a Rolling Stone EUA:


RS: Como você conseguiu que todos tocassem no mesmo ritmo, na mesma tecla, de maneira tão perfeita?

MJ: Nós construímos um estúdio de gravação móvel com o mesmo equipamento que eu costumava usar [gravando com] Paul Simon na Hit Factory. Viajamos pelo mundo com um estúdio móvel, ótimos equipamentos e algumas câmeras, e começamos com Robbie Robertson tocando guitarra. Então entramos no estúdio e fizemos uma demo com a tecla certa, no ritmo certo, para que ele pudesse colocar fones de ouvido e tocar junto.

Então, enquanto viajávamos pelo mundo, desconstruirmos [a faixa]. Então o Ringo substituiria a bateria. Hutch [James "Hutch" Hutchinson "] substituiria o baixo. Onde quer que eu vá, estou colocando fones de ouvido nos músicos, e eles estão ouvindo o que os precedeu e depois tocando junto. E foi assim que a construímos ao ir de país em país. Eu acho que neste vídeo, fomos em cerca de dez países diferentes.

RS: Qual foi o momento mais especial?

MJ: Acho que tiveram dois. Obviamente Robbie Robertson tem sido um grande herói meu, então gravá-lo foi um sonho. Também foi gravar no Oriente Médio, porque é disso que trata todo esse projeto. Em um mundo onde tantas coisas estão nos dividindo, é importante mostrar às pessoas conexões e quão fácil o mundo fica quando a música toca. E essa foi uma boa declaração: mostrar para as pessoas como a música é atemporal, mas também universal. Todos no mundo podem se conectar.

RS: Onde você gravou no Oriente Médio?

MJ: Bahrain. Trabalhamos com o xeique Abdullah do Bahrein. Ele tem um estúdio de gravação bonito e é um grande apoiador; não é fácil ir a essa parte do mundo e apenas aparecer. E ele era um grande fã de Playing for Change depois de ver "Stand By Me" e "One Love" tocando ao redor do mundo. Então ele nos abordou sobre como podemos usar a música como uma ferramenta para acabar com o estereótipo do terrorismo; adicionando músicos árabes, ele nos ajudaria a chegar à região com segurança, nos ajudaria a encontrar os músicos certos, e depois os integramos nas músicas apenas como uma ferramenta para mostrar a todos como é fácil se dar bem.

RS: Como você explica o que é Playing for Change?

MJ: Diria que o Playing for Change é um movimento que une e conecta pessoas de todo o mundo por meio da música. Para fazer isso, você precisa fazer de maneiras diferentes, por isso criamos músicas em todo o mundo, vídeos em que todos esses músicos de diferentes países que nunca se conheceram tocam músicas juntos. No entanto, percebemos que isso não significa nada se não retribuirmos às pessoas. Por isso, criamos a fundação Playing for Change há dez anos e construímos escolas de música e arte em todo o mundo e, em seguida, conectamos as pessoas com os vídeos. 

RS: Robbie quem teve a ideia?

MJ: Robbie e [o filho] Sebastian viram “All Along the Watchtower”, que lançamos alguns anos atrás e eles adoraram. E eles disseram: “Escute, por que você não pensa em fazer isso para 'The Weight?'”. Foi uma chance de fazer algo para ele - também é uma chance de Sebastian promover um legado para o pai e para nós ver uma música incrível ao redor do mundo com uma lenda. Robbie está tão orgulhoso disso. Ele me disse outro dia que era um sonho realizado. Todos os músicos realmente o comoveram, para ver como a música dele é capaz de viajar por todo o mundo.

RS: Como foi trabalhar com o Ringo?

MJ: Só de fazer algo com Ringo foi um sonho tornado realidade. A performance dele é incrível. E o sorriso dele. Ele tem um sorriso tão contagioso. Quando ele tocou bateria, isso abriu uma nova porta para nós. Como esse som nunca havia sido lançado em uma versão de “The Weight”, isso nos deu a oportunidade de fazer desta uma versão única e especial.

Assista:


+++ CORONAVÍRUS: DEVEMOS REALMENTE CANCELAR SHOWS E EVENTOS?