Rock in Rio 2015: ícones da música brasileira se revezam no palco Mundo em show comemorativo

Dinho Ouro Preto com Sepultura e Ivete Sangalo com Paralamas do Sucesso foram alguns dos encontros realizados

Redação Publicado em 18/09/2015, às 20h26 - Atualizado às 21h46

Frejat e Ney Matogrosso no show comemorativo de 30 anos do Rock in Rio

Ver Galeria
(2 imagens)

Em 2015, o Rock in Rio celebra 30 anos de existência. Foi o show em comemoração a esse aniversário que abriu as atividades do palco Mundo – maior do evento – no primeiro dia de festival. Após uma reprodução mecânica de “Bohemian Rhapsody”, do Queen, diversos ícones da história da música brasileira tomaram o palco para performances diversas durante cerca de 1h20.

Os diversos encontros e reproduções ao vivo de clássicos absolutos do pop rock nacional começaram com Frejat. O guitarrista e vocalista lembrou Cazuza cantando “Pro Dia Nascer Feliz” e “Por Que A Gente é Assim?”, hits apresentados pelo Barão Vermelho no Rock in Rio há 30 anos. A segunda performance teve a presença de Ney Matogrosso – ex-namorado de Cazuza –, que também cantou “Rua da Passagem”, em seguida.

Com muita agilidade, o Skank apareceu no palco Mundo tocando um hit mais recente, “Vou Deixar”. O líder da banda mineira, Samuel Rosa, chamou Erasmo Carlos (“O inventor do rock brasileiro”, disse), com quem protagonizou outras duas performances: “Vem Quente Que Eu Estou Fervendo” e “É Proibido Fumar”, ambas do Tremendão. Dando sequência ao show, Ivan Lins tomou o palco com seu teclado, mostrando as clássicas “Depende de Nós” e “Novo Tempo”.

Outro ícone do rock brasileiro dos anos 1980, a Blitz assumiu o controle da apresentação, com participação do guitarrista do Sepultura, Andreas Kisser, tocando “Você Não Soube Me Amar” – esta com auxílio de Dinho Ouro Preto, do Capital Inicial, nos vocais – e “A Dois Passos do Paraíso”, inserindo um trecho de “One Love”, de Bob Marley, no meio da performance. Evandro Mesquita, líder da Blitz, permaneceu no palco para tocar gaita em “Lágrimas e Chuva”, do Kid Abelha, cantada por George Israel.

Hebert Vianna e o Paralamas do Sucesso também reeditaram performances que estiveram no Rock in Rio há 30 anos, com “Óculos” e “Uma Brasileira”. A última teve participação de Ivete Sangalo, que também ficou no palco Mundo para, depois, levar o axé à apresentação, com “Tempo de Alegria”. Em seguida, o Jota Quest apresentou “Do Seu Lado” – faixa composta por Nando Reis – e o Capital Inicial, “À Sua Maneira”.

O final foi reservado para a parte mais pesada do show. Com Dinho Ouro Preto ajudando nas vozes, Andreas Kisser comandou a performance de “Ratamahatta”, emblemática música do Sepultura. Logo depois, o Titãs assumiu o palco – ainda com Kisser –, cantando (ou berrando) duas faixas de Cabeça Dinossauro (1986): “Polícia” e “Bichos Escrotos”. Em meio a fogos de artifício, o show comemorativo acabou, com os 31 músicos que subiram ao palco cantando o tema oficial do Rock in Rio.

O festival segue nesta sexta-feira, 18, com apresentações de OneRepublic, homenagem a Cássia Eller e o encerramento de Queen com Adam Lambert, no palco Mundo.

Veja os shows que ainda vão acontecer em 18 de setembro (sexta-feira)

20h: Homenagem a Cassia Eller (Palco Sunset)

20h: João Donato (Rock Street)

21h: The Script (Palco Mundo)

22h30: OneRepublic (Palco Mundo)

22h30: Homenagem Raul Seixas (Palco Eletrônica)

0h: Queen + Adam Lambert (Palco Mundo)