Pulse

“Certamente estarei disponível para uma reunião do Faces”, diz Rod Stewart sobre a indicação da banda ao Hall da Fama do Rock

“A gente simplesmente estava o tempo todo bêbado para caramba... Foi uma existência muito passageira”, relembra o vocalista sobre a história do grupo

Andy Greene Publicado em 28/12/2011, às 10h24 - Atualizado em 29/12/2011, às 11h40

Rod Stewart
AP

Quando Rod Stewart entrou para o Hall da Fama do Rock como um artista solo em 1994, ele não pôde participar do evento. Um terremoto tinha acabado de atingir Los Angeles com força e ele não quis deixar seus filhos. Stewart garante que irá compensar isso em 2012 indo a Cleveland se reunir com o Faces, que ganha agora a mesma homenagem.

Conte qual foi sua reação logo que ficou sabendo da notícia.

Fiquei absolutamente nas nuvens, que é como qualquer um deve se sentir. Eu nunca achei que isso fosse acontecer. Fiquei um pouco decepcionado com os comentários do [tecladista] Ian McLagan a respeito de como as duas bandas não tenham que ser emboladas desse jeito [a indicação vale para o Faces e o Small Faces, formado com os integrantes remanestes da primeira banda ao lado de Rod Stewart e Ronnie Wood]. Eu acho que isso foi meio desnecessário. Eu acho que Mac tem que se sentir um sortudo de estar no Hall da Fama do Rock and Roll. Eu sei que Woody [Ronnie Wood] e eu e estamos ambos nas nuvens. Estou lá como artista solo e agora como integrante de um grupo, e ele como um Stone e um Face. Eu vou colocar ordem na cabeça dele quando o vir. É ótimo. É maravilhoso. Espero que a banda se junte. Eu disse que eu topo se conseguirmos reunir o resto do grupo. Estive com Ronnie há algumas semanas, ele veio para Las Vegas comigo e disse que adoraria também.

O Faces sempre foi um grupo subestimado, então é interessante que ele esteja sob esse holofote.

Sim. A culpa é parcialmente nossa. A gente simplesmente estava o tempo todo bêbado, para ser sincero com você. Foi uma existência muito passageira. Acabou tudo em quatro anos, cinco no máximo.

Consigo entender o motivo de os dois grupos entrarem ao mesmo tempo. O Small Faces e o Faces são basicamente a mesma banda, só com um vocalista diferente.

Sim, foi mesmo. Eu posso te dar um resumo da história. Steve Marriott saiu para correr atrás de sua carreira solo. Ronnie e eu estávamos ambos desempregados. Foi isso mesmo? É, estava, e o Ronnie tinha sido demitido pelo Jeff Beck. Assim que ele saiu, Jeff sabia que eu não estava feliz. Decidi sair de qualquer forma porque estava sentindo falta do meu amigo. O Faces se juntou no ensaio dos Rolling Stones em Londres e eles estavam todos lá tocando. Ronnie Lane estava cantando, mas não era muito potente, e eles decidiram que queriam um novo vocalista. Kenny Jones já tinha sondado Ronnie Wood para saber onde eu estava. Ronnie pediu: “Por que não escuta um pouco? Fique aí no topo da escada e escute, veja o que acha da banda". Eu aceitei, fiquei lá no topo das escadas e eles tocaram bem, mas ninguém estava cantando [risos]. Eles estavam mandando músicas do Booker T and the MG's. Então, Kenny subiu as escadas e disse: “a gente não tem um vocalista, quer se juntar a nós?" E eu topei! Foi assim. Fomos para o pub e o Faces nasceu.

Você está decidido a se apresentar com eles novamente na cerimônia?

Sim, claro! Eu ia amar. Se eles estiverem todos dispostos, certamente vou ficar à disposição.

Você se incomoda em algum nível com o fato de que eles fizeram turnê sem você nesses últimos anos?

Não, nem um pouco, cara. É algo que eu gostaria de fazer, mas o problema é conseguir firmar um compromisso com o Ronnie, que está preso ao que os Stones vão fazer. Ele de repente pode dizer: “Ei, vamos sair em excursão na semana que vem!", e eu vou responder: “Calma aí, Ronnie, eu tenho compromissos! Tenho compromissos para o próximo ano". Se todos nós sentássemos e disséssemos: “Vamos fazer acontecer no próximo verão, ou vamos fazer de forma beneficente", ou por qualquer razão, eu toparia. Não está totalmente descartado.

É legal que vai conseguir ir ao evento desta vez, porque perdeu sua própria introdução por causa do terremoto [de 1994, em Los Angeles].

Sim, era para eu ter ido no dia seguinte dele. Dois dos meus filhos, Renee e Liam, tinham só um e três anos. Eles estavam apavorados, simplesmente apavorados. Eu não consegui ir para lá e deixá-los, então perdi. Mas estarei lá desta vez!