Roger Daltrey odiou as músicas bônus no novo disco do The Who

"Vergonha total", disse o vocalista sobre as faixas

Redação Publicado em 18/12/2019, às 16h13

None
Roger Daltrey (Foto: Robb Cohen/ AP Images)

Roger Daltrey disse, em uma nova entrevista à Billboard e publicada nesta quarta, 18, que a escolha de inserir quatro músicas bônus no novo disco do The Who é uma "vergonha total", e acrescentou que isso o deixou "bastante zangado".

"Essa mer** de faixa bônus, eu não entendo. Para mim, apenas torna um álbum perfeito imperfeito. Colocar demos em um disco finalizado é uma vergonha total. Não é oWho. Eles estão apenas abusando do nosso nome, colocando as músicas do Who que não são em um disco do Who, e eu não entendo. Fico bastante zangado com isso, para ser sincero", explicou.

+++ LEIA MAIS: Guitarrista do The Who agradeceu a Deus quando Keith Moon e John Entwistle morreram

O músico disse anteriormente que o disco Who era o melhor trabalho dele com a banda desde Quadrophenia, em 1973, mas argumentou que a adição das gravações demo "This Gun Will Misfire" e "Danny and My Ponies", juntamente com as músicas não usadas dos anos 1960 "Sand" e "Got Nothing to prove" prejudicou o resultado final do projeto.

Recentemente, Roger Daltrey revelou que o guitarrista Pete Townshend pediu para o cantor se aventurar em novos territórios e se arriscar a fazer um rap no novo disco da banda.

+++ LEIA MAIS: Pete Townshend pede desculpas por ter dito que agradeceu a Deus quando Keith Moon e John Entwistle morreram

Em entrevista à Rolling Stone EUA, Daltrey contou que não ficou nada satisfeito com a primeira versão da música "All This Music Must Fade" enviada pelo guitarrista. 

"Eu odiei [a faixa] de primeira. Na demo, ele colocou um rap [...] Bom, de jeito nenhum eu vou fazer um rap. De jeito nenhum. Deixe os jovens vestirem essas roupas", disse.

Roger Daltrey e Townshend gravaram o Who durante a primavera e o verão dos Estados Unidos deste ano. O disco foi oficialmente lançado dia 6 de dezembro. 


+++ FRANCISCO EL HOMBRE SOBRE RASGACABEZA: 'É UM DISCO INDIGESTO, TOCA EM PONTOS DOLORIDOS E ÍNTIMOS'