Roger Waters faz espetáculo acachapante no Rio de Janeiro

O ex-baixista do Pink Floyd se apresentou no Engenhão na última quinta, 29

Carlos Eduardo Lima, do Rio de Janeiro Publicado em 30/03/2012, às 11h51 - Atualizado às 19h08

Roger Waters fez a segunda performance brasileira de The Wall na última quinta, 29.

Ver Galeria
(4 imagens)

Roger Waters era um popstar atormentado de 35 anos quando escreveu praticamente todas as canções de The Wall. Era 1979, o ano do início da era Thatcher, um tempo estranho e distante de hoje. Waters e seus colegas de Pink Floyd experimentavam o fundo do poço em termos de relacionamento, a tal ponto que poderíamos dizer que o álbum duplo que lançaram no fim daquele ano era muito mais um disco solo de Waters do que um disco colaborativo. Ainda que David Gilmour, Ricky Wright e Nick Mason tenham tido participações importantes, não seria totalmente errado atribuir ao baixista e cantor principal do Floyd a autoria da própria experiência proposta por The Wall, com o status de eminência parda indo para o produtor Bob Ezrin, um grande colaborador do disco, esquecido totalmente.

Reerguendo o muro: como Roger Waters, ex-Pink Floyd, domou seus demônios, retomou seu legado e ressuscitou a obra-prima The Wall

Pode parecer complicado, mas a mistura de múltiplos dramas pessoais autobiográficos (trauma pela morte do pai,desentendimento com a mãe e com a esposa, opressão escolar, barra pesada com drogas, vazio existencial pela vida sob os holofotes e niilismo total pelo futuro) com a abordagem sonora do Floyd rendeu a The Wall um lugar cativo entre os discos mais vendidos da história, com cerca de 30 milhões de cópias.

Por conta das limitações tecnológicas da época do lançamento, o Pink Floyd excursionou pouco com a turnê de The Wall, fazendo raros shows em poucas cidades. Desse jeito, a passagem pelo Brasil da atual excursão mundial de Roger Waters, totalmente dedicada ao disco, é um fato a ser celebrado, principalmente porque é um espetáculo absolutamente acachapante e que não pode ser deixado para lá. No show realizado no estádio do Engenhão, Rio de Janeiro, na última quinta, 29, todo o conceito de The Wall é levado ao palco, seja a parte visual - personificada na famosa construção e destruição do muro que fica entre a banda e Waters, a reprodução de trechos do filme de 1982 baseado no disco e dirigido por Alan Parker, além de efeitos especiais de última geração, projeções impressionantes num telão realmente grande, no caso, o próprio muro -, bem como a parte musical, na qual a banda escolhida pelo baixista (com doze pessoas) é capaz de reproduzir todos os sons, ruídos e efeitos contidos no disco original.

Momentos iluminados aparecem com "Another Brick In The Wall Part 2", cantada por um Engenhão mesmerizado, com a sequência emocionante de "Mother", "In The Flesh", passando por um percurso deslumbrante até a construção total do muro, que marca um intervalo de 15 minutos e o fim do antigo disco 1.

A volta também assinala o início do segundo volume, que tem como destaques "Run Like Hell", "Confortably Numb", "Goodbye Cruel World" e a apoteose opressiva de "The Trial". Waters ainda encontra tempo para homenagear desaparecidos em conflitos diversos ao redor do mundo e arranca aplausos ao lembrar do assassinato de Jean Charles de Menezes pela polícia inglesa (momento no qual, em português, ele lembra das vítimas do terrorismo de estado, referindo-se a seu próprio país), além de mostrar vídeos, animações e sons de guerra, aviões, helicópteros, o famoso porco voador, o avião que se espatifa no muro, grafismos, palavras de ordem, tudo perfeitamente encadeado e fazendo sentido.

Alguns até podem acusá-lo de megalomania e oportunismo, mas não dá pra negar o esmero com que The Wall está correndo o mundo e faturando os tubos para Waters, com uma audiência estimada em cerca de dois milhões de pessoas ao redor do planeta. É rock de um tempo que já passou, ouvido em vinil, levado a público em megaconcertos em grandes espaços, mas que ainda fascina por teimar em ser atual e sincero, ainda que nem todos consigam juntar os traços do desenho. Demais para esse século tão sem sal.