Rolling Stones revelam versão acústica inédita de “Wild Horses”; ouça

Faixa estará no relançamento do clássico álbum de 1971 Sticky Fingers, que volta às lojas em maio

Redação Publicado em 03/04/2015, às 11h57 - Atualizado às 12h19

Rolling Stones

Ver Galeria
(11 imagens)

Após anunciarem o relançamento do disco Sticky Fingers para o próximo dia 26 de maio, os Rolling Stones divulgaram uma versão acústica inédita da faixa “Wild Horses”, uma das mais emblemáticas do álbum – ouça abaixo –, que estará em alguns dos pacotes da nova edição do trabalho.

Rolling Stones em dez videoclipes.

Na versão inédita, a balada, uma das faixas obrigatória nos setlists da banda britânica, é entoada apenas por Mick Jagger – sem os marcantes backing vocals. No começo, o instrumental traz apenas dois violões: um levando a base da canção e outro com alguns enfeites e arranjos incomuns. Mais à frente, baixo e bateria encontram lugar na canção.

“Wild Horses” ainda ganhou um lyric vídeo de divulgação, com a estética do zíper da capa de Sticky Fingers e os versos da faixa distribuídos ao longo dos quase seis minutos de melodia. Ouça e assista abaixo:

Relançamento de Sticky Fingers

O relançamento de Sticky Fingers – disco que traz faixas como “Brown Sugar”, “Wild Horses”, “Dead Flowers”, “Bitch” e “Can't You Hear Me Knocking” – será feito em diversos formatos, do básico CD simples até caixas diversas.

Relembre dez grandes encontros da história do rock.

A edição de luxo trará uma versão de “Brown Sugar” com Eric Clapton, versões inéditas de “Bitch”, “Can't You Hear Me Knocking” e “Dead Flowers”, além de “Wild Horses” em formato acústico (áudio acima).

A reedição de Sticky Fingers traz ainda cinco faixas que o grupo gravou em uma performance ao vivo no Roundhouse, de Londres, em 1971, contando com registros de “Honky Tonk Women” e “Midnight Rambler”.

Rolling Stones 50 anos: uma carreira em fotos.

A versão super de luxo, por sua vez, tem Get Yer Leeds Lungs Out!, gravação de 13 faixas de um show dos Rolling Stones em Leeds, na Inglaterra, em março de 1972. De Sticky Fingers, o ao vivo traz “Brown Sugar”, “Bitch” e “Dead Flowers”.

Esta edição ainda conta com um livro de 120 páginas com anotações e informações sobre as músicas, além de diversas fotografias raras ou até inéditas, pôsteres e uma capa com zíper real, como o da capa do álbum original. Os novos Sticky Fingers chegam às lojas em 26 de maio.

Turnê norte-americana Zip Code

Os Rolling Stones também anunciaram recentemente uma turnê em 15 estádios e arenas na América do Norte entre os próximos meses de maio e julho. A banda tocará com setlists recheados de hits, além de “pérolas especiais” do longo cancioneiro.

Opinião do leitor: as dez melhores canções dos Rolling Stones.

Em entrevista à Rolling Stone EUA, entretanto, Jagger chegou a cogitar a possibilidade de tocar o álbum Sticky Fingers na íntegra. “Estamos cogitando a ideia de tocar o disco todo. No mínimo vamos cantar as músicas que normalmente não cantamos”, comentou o vocalista

“Brown Sugar”, “Wild Horses”, “Dead Flowers”, “Bitch” e “Can't You Hear Me Knocking” são músicas de Sticky Fingers que estão regularmente no repertório das apresentações dos Stones. Por outro lado, “You Gotta Move”, por exemplo, não é ouvida ao vivo nos vocais de Mick Jagger desde 1976 e “Sister Morphine”, “Moonlight Mile” e “I Got The Blues”, desde os anos 1990.

Rolling Stones convidam: veja lista de artistas que já dividiram o palco com a banda britânica.

“É um álbum muito bom, mas que tem muitas canções lentas. Normalmente, só fazemos uma ou duas baladas nos shows e Sticky Fingers tem umas cinco. Estou preocupado porque pode ser problemático em estádios. Talvez nós toquemos e todo mundo diga, ‘Ótimo’, mas talvez eles fiquem cansados e saiam para pegar bebidas”, completou o líder da banda.

A última vez em que os britânicos fizeram excursão em estádios norte-americanos foi em 2007 e, agora, os Rolling Stones pretendem elevar este tipo de apresentações com um palco que se estende pelo meio da plateia, além de telões e efeitos especiais.

“Estamos animados em voltar à América do Norte tocando em estádios neste verão”, disse Mick Jagger em comunicado. “Estamos voltando aos palcos para executar as suas canções favoritas”.

Bob Dylan queria fazer disco com Beatles e Rolling Stones em 1969; entenda a história.

O vocalista também comentou, em vídeo promocional (abaixo): “As pessoas dizem: ‘Como você ainda está fazendo isso?’, mas não consigo acreditar que eu fazia isso quando tinha 20 anos de idade”. “Amamos colocar o pé na estrada e é muito bom voltar à América do Norte”, acrescentou Keith Richards. “Quero voltar logo aos palcos!”

Os shows marcam a primeira turnê norte-americana deles desde 50 & Counting, de 2013. Desde então, eles tocaram na Europa, Ásia e Austrália, passando por algumas turbulências com as mortes da namorada de Jagger, L'Wren Scott, e do saxofonista do grupo Bobby Keys.

Expectativa brasileira

A turnê Zip Code – cujo nome é inspirado pela capa do disco que está sendo relançado, idealizada por Andy Warhol – chega ao fim em 15 de julho, quando o grupo toca no Le Festival D’Été de Québec, na capital do Québec, no Canadá.

Fotografias inéditas de Beatles e Rolling Stones estão à venda na internet.

Há uma grande expectativa em torno de uma passagem dos Rolling Stones pelo Brasil ainda no segundo semestre deste ano. Em junho do ano passado, o jornal Destak chegou a informar que o grupo viria ainda no começo de 2015, com a turnê 14 On Fire.

O veículo também noticiou o interesse da própria banda em tocar no estádio do Maracanã. Não há nada confirmado, mas, com uma nova excursão e o relançamento de Sticky Fingers, o público brasileiro volta a criar expectativas para uma visita dos ingleses.

Vídeos raros mostram os Rolling Stones na década de 1960.

Uma nova passagem pelo país marcaria o quarto show da banda no Brasil. Em 2006, a apresentação gratuita do grupo na praia de Copacabana reuniu o maior público da carreira dos Stones.