Roman Polanski pretende voltar aos Estados Unidos para resolver caso de estupro pendente na justiça

O diretor franco-polonês quer encerrar o escândalo oficialmente

Redação Publicado em 17/02/2017, às 18h36 - Atualizado às 20h59

Exposição Roman Polanski. Ator. Diretor abrirá no Rio de Janeiro neste domingo

Ver Galeria
(2 imagens)

Foragido dos Estados Unidos desde 1978, Roman Polanski pretende retornar ao país na semana que vem para encerrar caso de pedofilia. De acordo com o site TMZ, Harland Braun, advogado do cineasta franco-polonês, enviou à Suprema Corte do Condado de Los Angeles (onde o crime aconteceu, em 1977) um pedido para abrir a transcrição secreta do depoimento do promotor que conduz o caso.

Segundo o advogado do diretor responsável por filmes como O Bebê de Rosemary e Chinatown, o testemunho assinado pelo juiz do processo dará respaldo ao suposto acordo que Polanski teria feito para ser preso por 48 dias pelo estupro. Na época, o diretor permaneceu apenas 42 dias preso. Pouco antes de dar o tempo da sentença, o juiz Laurence Rittenband recusou negociar com Polanski, decidindo que ele deveria ser preso por 50 anos pelas seguintes acusações: estupro com uso de drogas, perversão, sodomia, atos libidinosos com uma criança com menos de 14 anos e fornecimento de drogas controladas a um menor de idade.

Ao saber da pena, Polanski fugiu para a Europa. Em 2009, ele ainda foi preso em Zurique (Suíça), permanecendo em prisão domiciliar. Entretanto, foi liberado 334 dias após o encarceramento, uma vez que as autoridades suíças optaram por não extraditá-lo aos Estados Unidos.

Passados 40 anos do caso, o advogado do cineasta quer encerrar as negociações do processo para que Polanski possa circular sem qualquer impedimento pelo continente europeu, visitar a filha que vive em Londres (Inglaterra) e também rever o túmulo da esposa Sharon Tate – morta grávida, em 1969, em uma chacina promovida pela Família Manson dentro da própria casa da atriz – que está enterrada na cidade californiana onde corre o processo

Samantha Geimer, vítima de Polanski, hoje com pouco mais de 50 anos, pediu para que o caso seja encerrado sem que o diretor seja preso. O estupro aconteceu durante um ensaio fotográfico para a revista Vogue. O cineasta fotografava Samanha na casa do ator Jack Nicholson, que estava longe, de férias. No segundo dia de ensaio, Polanski sedou e violentou Samantha.

“Eu o entendo. Ele tinha mulher e filhos. Não sei se posso dizer que é pena, acho que é mais empatia, de alguém que entende uma pessoa que passou por uma má experiência", disse Samantha em uma entrevista ao UOL na qual promovia o livro A Menina, publicado no Brasil pela editora Leya.