Romance proibido, rivalidades e guilty pleasure: Como Crepúsculo continua popular ao longo dos anos

A saga estreou no catálogo da Netflix em fevereiro e reviveu o amor dos fãs

Mariana Pastorello | @mari.pastorello (Sob supervisão de Camilla Millan e Julia Harumi Morita) Publicado em 27/02/2021, às 17h00

None
Cena de Bella e Edward em Amanhecer: Parte 1 (Foto: Reprodução)

Desde o lançamento da saga Crepúsculo, publicada entre os anos 2005 e 2008 por Stephenie Meyer, o universo teen não foi o mesmo. Os livros e os filmes comoveram uma geração inteira no início do século e gerou fandoms tão inabaláveis quanto o amor de Bella Swan e Edward Cullen.

Com a recente entrada das adaptações cinematográficas estreladas por Kristen Stewart e Robert Pattinsonna Netflix, analisamos como os filmes se mantêm vivos, mesmo 13 anos após a estreia. 

+++ LEIA MAIS: Robert Pattinson não quer a mesma fama de Crepúsculo com The Batman: “sou meio chato e velho agora”

Em 2003, Meyer vivia em uma comunidade religiosa nos Estados Unidos quando sonhou com uma garota mundana e um vampiro, os quais eram apaixonados e viviam um romance excepcional. Sem pensar duas vezes, a aspirante a escritora começou a trabalhar na história e, alguns meses depois, tinha o primeiro livro da saga pronto. Naturalmente, as obras seguintes foram escritas e lançadas anualmente, conforme conquistou cada vez mais os leitores. 

Romance e dramas 

A base da história é clichê. Bella (Kristen Stewart), uma garota com a vida perfeita e estável, conhece Edward (Robert Pattinson), um vampiro centenário cheio de segredos e uma vida completamente anormal.

+++ LEIA MAIS: Crepúsculo: 'Filha' de Edward e Bella assusta turistas e pode ser mal-assombrada; entenda

Os dois se apaixonam perdidamente e passam a viver dilemas sobrenaturais e - o mais previsível - um amor ‘proibido’. Como uma nova versão de Romeu e Julieta, o casal enfrenta dificuldades para sustentar a paixão em meio a vampiros do mal, bailes da escola e lobisomens. 

Diante do amor único e complicado de Bella e Edward, o lobisomem Jacob Black (Taylor Lautner) entra na  história, coloca em jogo a paixonite do casal e cria um triângulo amoroso - que resulta em brigas fervorosas entre Jacob e Edward por Bella .

+++ LEIA MAIS: Astro de Crepúsculo, Gregory Tyree Boyce morre aos 30 anos, ao lado da namorada, Natalie Adepoju

Além do romance entre os personagens, há outros fatores que colaboram para os clichês da narrativa, como a clássica visão machista de uma mulher em perigo amparada por um homem. Na saga, Bella é uma jovem insegura protegida por Edward.

Rivalidades 

Crepúsculo tinha um público muito específico, garotas na pré-adolescência que, de alguma forma, sentiam-se representadas pela ingenuidade de Bella e sonhavam com um romance impossível. Com o lançamento dos filmes, os fãs da saga passaram a dividir o fandom com o público mainstream. Assim, iniciou-se uma rivalidade entre os haters e os amantes da produção. 

+++ LEIA MAIS: 6 vezes que Robert Pattinson mostrou que realmente não gosta de Crepúsculo

Quem não gostava dos filmes julgava a série como “tosca” e “ruim” - discurso que ganhou mais destaque após a paródia Os Vampiros Que Se Mordam (2010). Na tentativa de provar uma maior prudência e não se render à moda, abominavam a saga e iam contra tudo relacionado a ela - porém, isso colaborou para a franquia ganhar espaço e ser um dos assuntos mais comentados na época. 

Não foi só a rivalidade entre amantes e haters que fizeram os filmes se manterem nas trends, mas a divisão entre “Team Edward” e “Team Jacob". Esse movimento separou opiniões sobre qual personagem era o melhor par romântico para frágil Bella e foi essencial para manter o destaque da saga no mundo pop.

+++ LEIA MAIS: Tony Stark ou Carlisle Cullen, de Crepúsculo: quem é mais rico?

Porém, a rivalidade foi além do universo da saga. Os atores que interpretavam Edward e Jacob, eram considerados ‘colírios’ na época, e tinham muitos fã clubes, que mantiam o debate de quem era mais atraente. 

Para impulsionar discussões, a internet iniciou uma disputa entre as sagas Crepúsculo e Harry Potter, série baseada nos livros de J.K. Rowling. Os filmes tiveram lançamentos próximos e eram feitos para públicos parecidos, o que provocou brigas sobre qual franquia era a melhor. 

+++ LEIA MAIS: 11 filmes para conhecer a trajetória de Robert Pattinson nos cinemas

A saga continua

Após deixar os holofotes do mainstream e se tornar o guilty pleasure de muitos, Crepúsculo teve um retorno triunfal. Em 2020, Meyer fez uma aposta certeira para a era da valorização da nostalgia e anunciou um novo livro da saga, O Sol da Meia Noite, o qual mostra a história do icônico casal sob a perspectiva de Edward.

Em fevereiro, a Netflix, disponibilizou no catálogo todos os cinco filmes da saga: Crepúsculo, Eclipse, Lua Nova, Amanhecer: Parte 1 e Amanhecer: Parte 2. E não demorou para os longas-metragens entrarem para o Top 10 da plataforma de streaming - o que provou o potencial da  franquia para se manter imortal, assim como os vampiros da família Cullen

+++ LEIA MAIS: Crepúsculo: Kristen Stewart tinha que acalmar Robert Pattinson no set de filmagens; entenda


+++ KANT: 'AQUELES QUE NOS DÃO MAIS ATENÇÃO SÃO OS QUE MAIS CRITICAM' | ENTREVISTA | ROLLING STONE BRASIL