Roteirista de Vingadores: Ultimato fala sobre furo no roteiro que envolve Capitão América e o martelo de Thor

Christopher Markus falou sobre o risco de colocar no filme um momento que, teoricamente, nunca poderia ter acontecido

Redação Publicado em 05/11/2019, às 08h52

None
Captão América com Mjolnir, martelo do Thor, em Vingadores: Ultimato (Foto: Reprodução)

Em entrevista ao site SlashFilmsChristopher Markus, co-roteirista de Vingadores: Ultimato, falou sobre um momento do filme ao mesmo tempo icônico e controverso: quando Capitão América usa Mjolnir, martelo que até então apenas Thor conseguia usar.

Segundo ele, a equipe sabia dos riscos de colocar isso no longa, e já estava preparada para que alguns fãs mais assídos das HQs e do universo da Marvel reclamassem que aquilo não era possível.

+++Leia mais: Chris Hemsworth ficou chateado quando descobriu que o Capitão América podia levantar o martelo do Thor

"Certamente houve um debate, porque particularmente em [Thor] Ragnarok, é estabelecido que Thor pode invocar o poder do trovão sem o martelo. Acho que Odin até fala 'Nunca foi o martelo'. Ainda assim, o Capitão usa esse poder com o martelo. Você chega em situações como essa e pensa 'É legal demais para não fazermos! Vamos conversar sobre isso depois'", disse.

No filme mencionado por Markus, o pai do Deus do Trovão explica ao filho que "aquele martelo servia para ajudá-lo a controlar seu poder. [...] Nunca foi a origem da sua força."

+++Leia mais: Thor: Amor e Trovão pode introduzir a primeira heroína trans da Marvel

Ou seja, não existe um explicação fundamentada para o personagem interpretado por Chris Evans conseguir, não só levantar Mjolnir, mas também usar os poderes do trovão. A não ser, claro, se voltarmos lá para 2011, no primeiro filme do Thor.

Nele, Odin diz "Quem segurar esse martelo, caso seja digno, ganhará o poder de Thor". Mas como o mesmo deus afirmou algo diferente no longa mais recente, de 2017 e dirigido por Taika Waititi, talvez seja melhor desconsiderar a declaração anterior? Não se sabe. Sabe-se apenas que esse mistério (ou furo de roteiro, como preferir), permanecerá não resolvido.