Rufus Wainwright reflete sobre as diferentes fases da vida em novo disco: ‘Artistas se tornam eles mesmos aos 30, 40 anos’ [ENTREVISTA]

Unfollow The Rules foi lançado nesta sexta, 10, repleto de notas altas, ilustrações, romance e desabafos do músico

Camilla Millan Publicado em 10/07/2020, às 07h00

None
Rufus Wainwright (Foto: V. Tony Hauser)

“Passei por muito nestes últimos 10 anos. Ainda estou lidando com a morte da minha mãe, tive uma filha, me casei, mudei para a Califórnia… Muita coisa aconteceu”, disse Rufus  Wainwright à Rolling Stone Brasil sobre a inspiração para as músicas de Unfollow the Rules, disco lançado por ele nesta sexta, 10. 

Unfollow the Rules representa o 9º álbum de estúdio do músico, além de ser o primeiro disco pop desde Out Of The Game, lançado em 2012. O novo projeto foi produzido por Mitchell Froom e contou com diversos músicos de sessão, como o famoso baterista Jim Keltner, que trabalhou nos álbuns solo de George Harrison, John Lennon e Ringo Starr

Desde criança, Rufus Wainwright alcançou notoriedade pelo talento musical. Aos 15, ele cantou “I'm a-Runnin” no filme Tommy Tricker and the Stamp Traveller, sendo um dos nomeados ao prêmio Genie de Melhor Música Original. O astro também alcançou popularidade ao gravar uma versão de ‘Hallelujah’, canção de Leonard Cohen. O cover de Wainwright está presente em Shrek: Music from the Original Motion Picture, disco da trilha sonora do longa Shrek 1.

+++LEIA MAIS: David Gilmour, do Pink Floyd, fará live para homenagear Leonard Cohen; veja como assistir

Nos últimos anos, Wainwright trabalhou nos discos Take All My Loves: 9 Shakespeare Sonnets (2016) - homenagem aos 400 anos da morte de William Shakespeare - e Prima Donna (2015) - álbum da ópera homônima escrita pelo astro.

Rufus Wainwright, atualmente com 46 anos, é um grande admirador de óperas desde a adolescência, e já escreveu duas peças do gênero artístico: Prima Donna (2009) e Hadrian (2018). No entanto, o músico também experimenta sonoridades pop com influências de indie rock e, inclusive, com elementos da música clássica - como é o caso de Unfollow The Rules.

“Nos últimos anos, escrevi óperas e compus canções para Shakespeare. Foi um período maravilhoso, mas continuei escrevendo músicas e sabia que eventualmente precisava voltar à Terra e entregar à minha banda algo com o qual eles pudessem se relacionar”, disse o músico em entrevista.

+++LEIA MAIS: Em quarentena, Patrick Stewart vai levar um soneto de Shakespeare por dia no Twitter

Meia-idade e maturidade 

Rufus Wainwright nasceu em Nova York, mas passou parte da adolescência no Canadá.  Em 2012, se casou com o alemão Jörn Weisbrodt, e um ano antes nasceu Viva Katherine Wainwright Cohen - filha do casal. 

Unfollow the Rules representa uma grande experiência imersiva pelas vivências do cantor, e também apresenta um artista maduro que reflete sobre a chegada à meia-idade - e tudo se relaciona com artistas que o inspiraram para a criação do trabalho:

“Me inspiro em vários artistas homens. Digo homens, pois sou um [homem] e eles têm a energia a qual procuro. São cantores e compositores que aos 30 ou 40 anos alcançam outro nível no qual eles realmente se tornam eles mesmos. Aconteceu com Frank Sinatra, Paul Simon… Eles passaram por um período de questionamento e de repente se tornaram homens aos 40. Esse era o meu objetivo”, explicou o cantor.

+++LEIA MAIS: Qual música dos Beatles foi eleita por Frank Sinatra como a melhor canção de amor já escrita?

A maturidade certamente está presente em Unfollow The Rules, um disco com diferentes atitudes, representando as várias fases de Wainwright. Em meio à técnica vocal impecável, o artista oferece uma narrativa que vai da felicidade ao romantismo e faz uma curva em direção à melancolia ao concluir sobre a necessidade de aceitarmos nossas angústias. 

“Acredito que é um bom álbum para o momento no qual estamos vivendo”, disse Wainwright. A reflexão pessoal do disco também se transforma em uma crítica política na música "Hatred":

“O álbum não é realmente político, exceto por ‘Hatred’. Ela representa um tipo genérico de crise, batalha. É sobre ir à guerra pelas próprias crenças. Não estou falando diretamente sobre eleições, mas acredito que neste ano de 2020 precisamos colocar a nossa armadura e ir para a guerra.”

+++LEIA MAIS: System Of A Down: As letras mais explícitas de uma discografia extremamente política

Casamento e família 

Apesar das canções 'old fashioned' e, ao mesmo tempo, modernas de Unfollow The Rules,  o músico explicou que algo nos discos não muda: a canção para o marido.

Em Unfollow The Rules, "Peaceful Afternoon" foi escrita especialmente para o companheiro dele, Jörn Weisbrodt: "Chegando a treze anos juntos, baby / Rezo para que seja uma sorte", canta o músico na canção.

Segundo Rufus, a música para o marido se tornou algo recorrente nos trabalhos dele: “Agora é um requisito no nosso casamento, como uma regra na qual tenho que escrever uma música para ele em todo disco. Faço isso há anos… A primeira foi ‘Release The Stars’”, disse Wainwright.

Apesar de se tornar um requisito, o cantor falou sobre o significado de compor músicas para o homem que ele ama: “É algo realmente bonito, porque me força a escrever músicas de amor - e o mundo precisa de mais músicas de amor. Quando você está em uma relação com alguém por muito tempo, você precisa se esforçar, revigorar o amor de tempos em tempos - e escrever músicas é um bom exercício”. 

+++LEIA MAIS: Bruno Major usa do amor em disco To Let A Good Thing Die para discursar sobre um mundo quebrado [ENTREVISTA]

O amor, a família e as diferentes vivências estão todas presentes no disco - e segundo Rufus, foi natural: “Não escolhi fazer uma abordagem holística, mas cada música toca em diferentes aspectos da minha vida, seja meu pai, o casamento, meus medos do mundo, minha luta contra o vício… Meus pais eram compositores incríveis e sempre cantaram sobre eles”.

Certamente, a família de Rufus é talentosa. O cantor é filho de Loudon Wainwright III - compositor, cantor, humorista e ator americano - e Kate McGarrigle, cantora e compositora de folk. Além disso, ele é irmão de Martha Wainwright, que seguiu os mesmos passos da mãe e construiu uma carreira no gênero. 

Os pais se separaram quando Wainwright tinha três anos, e a ausência do pai - aspecto importante na vida do cantor - se transformou em música em 2003, na faixa “Dinner At Eight”. A irmã de Rufus, Martha, também já dedicou uma canção a Loudon Wainwright III: “Bloody Mother Fucking Asshole”.

+++LEIA MAIS: Paris Jackson revela como o pai Michael Jackson ajudou a entender a própria sexualidade: ‘Tenho muita sorte’

Resultado e divulgação do disco

Além das 12 canções, Unfollow The Rules ultrapassa a música. O projeto contempla um disco de vinil com diversas ilustrações, além de clipes com artes - várias feitas pelo próprio músico: 

“As ilustrações e artes visuais são muito importantes para este disco e é um dos presentes que a pandemia me trouxe. Já fiz algumas ilustrações porque gosto, e quando chegou na hora de lançar o disco fiquei com medo de não ter material suficiente. Então a pandemia chegou, tudo foi adiado e consegui mergulhar em minhas habilidades de ilustrador”, disse Wainwright.

+++LEIA MAIS: Como o isolamento social afeta a criatividade dos artistas no Brasil?

"Alone Time", por exemplo, é uma das faixas lançadas em Unfollow The Rules - e o vídeo oficial da canção tem ilustrações de Rufus Wainwright e Josh Shaffner. Nela, mais uma vez, o astro ganha destaque com a espetacular habilidade vocal.

“Este álbum é grande. Tem muita voz e notas realmente muito altas. Acredito que conseguirei fazer ao vivo, mas definitivamente são altas. Um dos presentes da pandemia foi a possibilidade de eu treinar mais [risos]. Então consegui obter tônus na minha voz. Estou animado para me apresentar ao vivo quando os shows voltarem”, afirmou Wainwright.

Apesar da complexidade sonora e lírica de Unfollow de Rules, Rufus Wainwright explicou que os custos do projeto foram baixos - e, na opinião dele, isso torna as músicas melhores.

“Não poderia estar mais feliz. Sempre trabalho muito no estúdio para fazer meus álbuns acontecerem. O que eu amo neste disco é o fato de parecer caro apesar de nós termos muito cuidado em como gastar dinheiro e responsabilidade em reduzir custos… Isso faz a música soar ainda melhor”, refletiu Wainwright


+++ RAEL | MELHORES DE TODOS OS TEMPOS EM 1 MINUTO