Sacha Baron Cohen diz que Borat 2 evidencia 'perigosa descida ao autoritarismo' dos EUA

Em entrevista ao The New York Times, o ator, comediante e produtor também falou sobre a chocante diferença que a sociedade sofreu desde 2005, quando o primeiro filme foi lançado

Redação Publicado em 18/10/2020, às 17h00

None
Borat (Foto: Divulgação)

Apesar de, na superfície, parecer um humor besta, tanto Borat quanto todos os outros personagens criados e vividos por Sacha Baron Cohen carregam nas piadas (muitas vezes polêmicas) críticas bem construídas e revelações cruas sobre a sociedade atual.

E é exatamente isso que, de acordo com o ator, produtor e roteirista, o novo filme protagonizado pelo controverso repórter do Cazaquistão, tem como objetivo.

Em entrevista ao The New York Times, Cohen disse que a continuação de Borat "busca fazer as pessoas rirem, mas também revela a descida ao autoritarismo" vivida pelos Estados Unidos.

+++LEIA MAIS: Borat 2 - Família de sobrevivente do Holocausto processa responsáveis pelo novo filme

Na conversa, como apontado pelo Consequence Of Sound, ele também aponta a diferença entre os EUA de 2005, quando o primeiro filme foi lançado, e os dias de hoje. 

"Em 2005 era necessário um personagem misógino, racista e antissemita como o Borat para que as pessoas revelassem os próprios preconceitos. Hoje esses preconceitos são explícitos. Racistas têm orgulho de serem racistas", falou.

+++LEIA MAIS: Em novo filme, Borat volta aos EUA durante a pandemia, se disfarça de Trump e tenta ‘golpe de estado’; assista ao trailer

E, para Cohen, grande parte da culpa é do presidente Donald Trump, que por si só "é obviamente racista e explicitamente fascista", o que "permite ao resto da sociedade mudar o próprio discurso também".

Borat 2 chega ao Amazon Prime em 23 de outubro.


+++ OROCHI | MELHORES DE TODOS OS TEMPOS EM 1 MINUTO | ROLLING STONE BRASIL