Sam Smith se diz orgulhoso por lutar pelos direitos da população LGBT: "É importante para mim"

"Sou um gay que saiu do armário aos dez anos de idade e não há nada de que eu tenha mais orgulho", disse o cantor

Redação Publicado em 22/10/2015, às 10h58 - Atualizado em 03/11/2015, às 10h09

Sam Smith no Rock in Rio 2015

Ver Galeria
(2 imagens)

O fenômeno inglês Sam Smith falou sobre seu ativismo dentro da causa LGBT enquanto artista declaradamente homossexual em uma longa entrevista à revista britânica NME. "Sou um gay que se assumiu aos dez anos de idade e não há nada de que eu tenha mais orgulho", disse ele.

Os dez melhores casamentos gays da história da televisão.

"Quero ser um porta-voz. Quero ser uma figura da comunidade gay, que fala para os homens gays. Vendo discos em países noas quais os homens gays são assassinados e isso é importante para mim. Porque talvez uma pessoa nesse país compre meu disco, perceba que é de um artista homossexual e possa mudar sua opinião."

James Bond: Daniel Craig faz par com Monica Bellucci e Léa Seydoux no clipe de Sam Smith.

Hoje com 23 anos, Smith explodiu internacionalmente ao ganhar quatro troféus do Grammy deste ano pelo álbum de estreia dele, In the Lonely Hour. Ele subiu aos palcos brasileiros pela primeira vez em setembro, no Rock in Rio. Em outubro, o britânico lançou a música-tema do próximo filme de James Bond, 007 Contra Spectre.

Rock in Rio 2015: Sam Smith esbanja talento na estreia em palcos brasileiros.

A canção, contudo, não agradou o vocalista do Duran Duran, Simon Le Bon. "[A música de Sam Smith] não é minha favorita, prefiro a nossa [do filme A View to a Kill (1985)", disse Le Bon ao Gigwise, antes de acrescentar. "Mas ele tem uma bela voz e sou fã dele. O apoio e apoio o que ele defende."

Galeria: 50 anos de música com James Bond.

Segundo Smith, ainda que sua missão seja falar em nome da causa LGBT, a música feita por ele deve atingir todos os públicos. "Não queria que o álbum atraísse apenas uma comunidade, queria que atraísse todas. Queria que todos, gays ou héteros, pudessem se relacionar comigo cantando sobre homens. Eu, por exemplo, pude me relacionar com Stevie Wonder e John Legend cantando sobre mulheres."