São Paulo Moto Festival

Segundo dia teve OCC, ex-Supertramp, covers e Paralamas

Por Artur Tavares Publicado em 07/09/2008, às 14h10 - Atualizado em 08/09/2008, às 10h23

Roger Rodgson: puxado pra mais cedo para alegria de 1.200 fãs
Ronaldo Franco

O segundo dia de São Paulo Moto Fest teve atraso de mais de uma hora e meia entre shows do palco principal, e muita animação da banda de mecânicos da OCC (Orange County Choppers), astros da série American Chopper, exibida na TV paga. O grupo entrou no palco à 1h30 da manhã, fechando a noite com covers de Led Zeppelin, Black Sabbath, AC/DC e Ramones.

Antes de a banda de motoqueiros tocar no festival que acontece no Autódromo de Interlagos até este domingo, 7, Supla mediava uma sessão de perguntas dos fãs aos astros de TV. "Você vai votar no veadinho ou no picolé?", alguém pergunta na platéia. "O quê?", retruca duas vezes o filho de Marta Suplicy, candidata à prefeitura de São Paulo, pra em seguida captar a mensagem: "Você tá falando de política? No comments", mistura inglês e português. "Vai votar na sua mãe, né?", rebate o curioso, arrancando risadas da platéia.

O público chegou horas antes ao Autódromo de Interlagos para acompanhar uma escalação repleta de bandas cover, com exceção de Paralamas do Sucesso. Às 17h, a platéia já assistia ao Creedence Cover, que reproduz clássicos do Creedence Clearwater Revival e mostrou sucessos como "Proud Mary" e "Hey Tonight", com destaque para a chuva, que começou bem após "Have You Ever Seen The Rain". Rápido, porém pesado, o pé d'água contribuiu para os atrasos do palco principal, que ficou com o telão apagado até 19h.

Enquanto problemas eram resolvidos na parte baixa do autódromo, outra banda de covers, Warriors, tocava no segundo palco do evento. Passearam por quatro décadas de rock, com "Born To Be Wild", do Steppenwolf, "Beds are Burning", do Midnight Oil, "Paranoid", do Black Sabbath, e "Knockin' on Heaven's Door", de Bob Dylan, na versão do Guns 'n Roses. O melhor momento foi "Breaking The Law", do Judas Priest, que combinou com a voz melódica do frontman.

Com entrada programada para 18h30, os Rockafellas abriram o palco principal apenas às 20h. Formada pelo ex-vocalista do Iron Maiden Paul DiAnno, além de Canisso, Marcão e Jean Dolabella, o grupo passeou pela música britânica, com The Clash, The Police e Alice Cooper. DiAnno, acima do peso, mas com ótima voz, ainda cantou "Detroit Rock City", do Kiss e "Girl You've Really Got Me Going", do The Kinks.

Não faltou Iron Maiden. O grupo fez "Ain't Talking About Love", antes de tocar "Ace of Spades", do Motorhead e fechar com "Rock 'n Roll", do Led Zeppelin. O time, com ex-integrantes do Raimundos, Charlie Brown Jr., além do atual baterista do Sepultura, levou a apresentação com diversão, enquanto a platéia, com pouco mais de 200 pessoas, assistia de perto ao primeiro vocal do Iron cantar como há 25 anos.

Paralamas e Supertramp

O grupo passou o palco para os Paralamas do Sucesso, que fizeram um concerto repleto de sucessos. Adequados ao evento, abriram com "Vital e sua Moto". Continuaram com "Selvagem", uma música que fala sobre ações excessivas da polícia. Minutos antes do início do show, uma briga entre duas gangues de motoqueiros acabou com três disparos de armas e intervenção das autoridades. Um dos envolvidos ficou ferido a bala, mas foi andando até o atendimento médico. Herbert Vianna e seus companheiros ainda tocaram, na apresentação mais pop da noite, "Soultrack", "Cuide Bem do Seu Amor" e "Lanterna dos Afogados". Após o fim desta última, mais chuva caiu. Fecharam com "Alagados", "Sociedade Alternativa", de Raul Seixas, e "Gostava tanto de Você", de Tim Maia.

Houve uma alteração na ordem das apresentações do festival, e o antigo líder do Supertramp, Roger Rodgson, - originalmente o headliner - entrou antes da OCC, às 23h50. A apresentação mais morna da noite foi também a que mais encheu a platéia, que contabilizava não mais que 1.200 fãs.O antigo líder do Supertramp começou a apresentação tocando "Take The Long Way Home" nos teclados. Durante todo o show, Rodgson alternou-se entre o instrumento e um violão de doze cordas. O som esteve baixo nas três primeiras canções, o que não impediu o simpático músico de pegar uma folha de papel e ler algumas frases em português.

Após o discurso, tocou "Give a Little Bit", já com o volume aumentado. Seus músicos de apoio não marcaram presença no palco, com exceção ao saxofonista, que arrancou comentários como "É o Kenny G?" e "Daqui a pouco vai parecer o Michael Bolton" da platéia. Rodgson ainda tocou o hit "Logical Song", além de "Take a Look at My Girlfriend" e "Dreamer". Fechou com mais uma ode à chuva, "It's Raining Again", mas desta vez, a água não veio do céu.

Rock diversão

Logo depois de Supla ser surpreendido pela pergunta política do fã, a OCC começou seu show no palco, e fechou a noite em grande estilo. Duas motos customizadas passearam pelo palco e ficaram estacionadas em uma extensão dedicada a apresentação. Os filhos de Paul Sr., dono da famosa oficina da televisão, deram autógrafos para os fãs, enquanto os mecânicos passeavam por clássicos do rock.

Em nenhum momento apresentaram profissionalismo. Pelo contrário, tocavam para se divertir. As pouco mais de 100 pessoas que ficaram para assistir podem se considerar sortudas com o fim de noite regado a "Heartbreaker", do Led Zeppelin, "Paranoid" e "The Wizard", do Black Sabbath (com direito a um gaitista que reproduzia perfeitamente a canção de Ozzy Osbourne) e "TNT", do AC/DC.