"A sátira de RoboCop é necessária hoje", diz José Padilha

Diretor de longa-metragem comentou que o remake deve focar em um aspecto mais humano e agressivo do herói

Redação Publicado em 24/12/2011, às 08h20 - Atualizado às 08h29

José Padilha
AP

O diretor José Padilha comentou novamente o andamento do remake de RoboCop, filme pelo qual se tornou encarregado logo após dirigir Tropa de Elite 2 (2010). Em entrevista ao jornal britânico Daily Telegraph, Padilha disse que sua versão do herói será mais humana e agressiva do que a original.

Leia textos das edições anteriores da Rolling Stone Brasil – na íntegra e gratuitamente!

"O elemento satírico de RoboCop é, eu acho, necessário nos dias de hoje", opinou o diretor. Aquele tipo social de sátira agressiva é algo que eu não vi bem feito nos filmes, ultimamente. É quase como se a política e a violência no mundo pedissem por isso: 'Alguém, por favor, faça alguma sátira agora!' Então nós vamos entrar nessa."

Mantendo o esquema costumeiro, Padilha recusou dar detalhes sobre o elenco (recentemente, ele desmentiu a notícia de que Michael Fassbender seria o protagonista). No entanto, Padilha resumiu que o novo RoboCop irá explorar um lado inédito na trama. "No primeiro RoboCop, quando Alex Murphy [o protagonista] é baleado, você vê alguns hospitais e coisa do tipo", descreveu. "Aí você já corta para ele como RoboCop. Meu filme estará situado entre esses dois cortes."