Biógrafo de Harper Lee diz que autora está sendo manipulada para publicar livro

Em entrevista à Folha de S.Paulo, Charles Shields afirma que autora de O Sol é Para Todos está debilitada e não consegue mais tomar decisões

Redação Publicado em 11/02/2015, às 09h15

Harper Lee
AP

Após agitar o mundo literário com o anúncio do lançamento de um novo romance, Harper Lee está no centro de uma polêmica envolvendo Go Set a Watchman, primeiro livro dela em 55 anos.

Banidos, proibidos e queimados na fogueira

Charles Shields, principal biógrafo da autora, em entrevista à Folha de São Paulo, afirmou que Harper estaria sendo manipulada por Tonja Carter, advogada dela, para divulgar o livro. A ganhadora do Pulitzer por O Sol é Para Todos está parcialmente cega e perdeu a capacidade auditiva.

“Lee não está em condições de tomar decisões", afirmou ele. Segundo Shields, a escritora sempre soube do paradeiro do rascunho e deixou claro em diversos momentos que não queria publicá-lo. Essa informação contradiz o depoimento de Tonja, que diz ter localizado o manuscrito recentemente.

As melhores e piores adaptações de livros para o cinema

"O editor não estava entusiasmado com a história e instruiu Lee a abandoná-la. Até que surgiu a ideia de voltar no tempo e contar a história da mesma personagem, só que ainda criança. Ficou claro que a nova versão deveria substituir a original", diz Shields. A atriz Mia Farrow também se manifestou sobre o caso via Twitter: "Alguém está tirando vantagem de nosso tesouro nacional, Harper Lee, aos 88?", questionou.

Publicado em 1960, O Sol é Para Todos discute com profundidade as questões raciais durante a Grande Depressão. O romance foi premiado com um Pulitzer e se estabeleceu como uma obra obrigatória da literatura moderna norte-americana. Inspirando um longa-metragem de 1962, a história foi traduzida para 40 idiomas e vendeu mais de 40 milhões de exemplares em todo o mundo.

Go Set a Watchman pode ser compreendido como uma continuação de O Sol é Para Todos - que também foi traduzido no Brasil como Mataram a Cotovia ou Não Matem a Cotovia -, pois muitos dos personagens aparecem na trama que se passa 20 anos mais tarde. Entretanto, vale ressaltar que o “novo romance” foi escrito antes do célebre livro vencedor do Pulitzer. Por pedido dos editores, Harper adaptou o enredo aos anos da Grande Depressão. O novo livro da autora chega às livrarias norte-americanas em 14 de julho, com tiragem inicial de dois milhões de exemplares.

Morte da Irmã:

Logo após o anúncio do lançamento de Go Set a Watchman algumas suspeitas começaram a circular na internet. Discute-se a relação entre a morte de Alice Lee, irmã de Harper, e a divulgação da obra.

Retrospectiva 2014: Artistas da TV, cinema e música que lançaram livros

Isso porque Alice atuava como advogada da irmã, ficando conhecida por proteger os interesses editoriais e pessoais da autora. Falecida em novembro de 2014, aos 103 anos, Alice poderia ser um dos entraves para o acerto entre a editora e Harper.

Pessoas próximas à autora afirmam que ela sofre de senilidade e que há anos deixou de se preocupar com as cláusulas dos contratos propostos.