Segundo empresa, ex-funcionária da Sony está envolvida nos ciberataques sofridos pelo estúdio

FBI reitera que culpa é da Coreia do Norte

Redação Publicado em 01/01/2015, às 16h46 - Atualizado às 18h45

A Entrevista
Reprodução

O ano começa com novidades sobre o caso de ciberataques sofridos pela Sony Pictures. A empresa especializada em segurança na internet Norse Corp, encarregada de conduzir uma investigação sobre o incidente, afirmou que identificou seis pessoas envolvidas no episódio. Entre elas, está uma ex-funcionária do estúdio, que vive nos Estados Unidos, além de haver atuações vindas da Tailândia, de Cingapura e do Canadá.

10 estrelas da música que cantaram para ditadores.

Nesta quarta-feira, 31, o FBI - com base no relatório - divulgou um comunicado reiterando as suspeitas de que o ataque teve origem na Coreia do Norte. Segundo informações do site TheWrap, a ex-funcionária da Sony tem "extenso conhecimento" da rede e das operações da empresa. Kurt Stammberger, vice-presidente da Norse, diz no relatório que as ações foram coordenadas com uso do conhecimento da ex-empregada do estúdio.

Seth Rogen: a mente adolescente por trás de A Entrevista, o filme mais controverso do ano.

"Essa mulher estava precisamente na posição ideal e tinha o profundo conhecimento técnico de que precisava para localizar os servidores específicos que foram comprometidos", contou Stammberger ao CBS News. "Lena", como é conhecida a mulher, teria ligações com o grupo de hackers autointitulado Guardiões da Paz.

Entenda o caso

A Sony tinha decidido cancelar a estreia nos cinemas de A Entrevista – filme sobre jornalistas que recebem a missão de assassinar o ditador norte-coreano Kim Jong-un – por causa de ameaças terroristas. Posteriormente, após diversas celebridades e o presidente Barack Obama criticarem a posição da empresa, a Sony voltou atrás.

Rússia apoia Coreia de Norte e diz que A Entrevista é agressivo e escandaloso.

O NY Times informou que o ataque hacker, que levou ao vazamento de filmes inéditos e informações das contas de e-mail de executivos, foi patrocinado. Ele foi, também, o ataque mais destrutivo já visto em solo norte-americano.

Pesquisadores forenses da Sony estão investigando se os ataques tiveram ou não ajuda interna. “É claro que eles já tinham acesso à rede da Sony antes do ataque”, disse à publicação Jaime Blasco, um pesquisador de segurança da AlienVault.

Para Coreia do Norte, novo filme de Seth Rogen representa um “ato de terrorismo.”

Também já foi divulgado que os hackers deixaram pistas. Eles utilizaram programas comercialmente disponíveis para tirar dados da rede da Sony e usaram técnicas que se assemelham às de ataques anteriores, na Arábia Saudita e na Coreia do Sul.

Uma fonte identificada como oficial de inteligência dos Estados Unidos disse ao NY Times: “Isto foi de uma sofisticação que, se tivesse acontecido anos atrás, diríamos que estaria abaixo da capacidade da Coreia do Norte”.

Intervenção da ONU

Em julho deste ano, a Coreia do Norte fez uma reclamação formal à Organização das Nações Unidas (ONU) a respeito do filme. “Permitir a produção e distribuição de um filme sobre um chefe de Estado soberano deve ser considerado como um incentivo ao terrorismo, bem como um ato de guerra”, afirma o texto assinado pelo embaixador da Coreia do Norte na ONU, Ja Song Nam.

James Franco produzirá adaptação de livro de autor de Clube da Luta.

“As autoridades dos Estados Unidos deveriam tomar ações imediatas e apropriadas para banir a produção e distribuição do filme, caso contrário serão totalmente responsáveis por encorajar e patrocinar o terrorismo”, acrescenta.