Sem casa lotada, Franz Ferdinand faz show consistente para público animado em São Paulo

A turnê da banda escocesa pelo Brasil segue no Rio de Janeiro, com apresentação nesta quinta, 2

Lucas Brêda Publicado em 01/10/2014, às 03h55 - Atualizado às 11h44

Franz Ferdinand em São Paulo

Ver Galeria
(4 imagens)

A sétima passagem do Franz Ferdinand pelo Brasil teve início na noite desta terça-feira, 30, quando a banda escocesa apresentou em São Paulo o show do disco Right Thoughts, Right Words, Right Action, lançado em 2013. O Espaço das Américas – local do show – não estava lotado, mas contou com um público que não teve vergonha de dançar e responder aos comandos do esforçado vocalista Alex Kapranos, em uma performance completa e coerente.

“Estou orgulhoso por ainda estarmos juntos”, diz Alex Kapranos sobre o quase término da banda e o novo álbum.

Para entender o fato de haver buracos consideráveis na plateia, tanto na pista VIP quanto na comum, é preciso lembrar-se de que este é o terceiro ano consecutivo em que o Franz Ferdinand toca em São Paulo. Em 2012, a banda foi atração do festival Cultura Inglesa e, em 2013, fez parte da edição brasileira do Lollapalooza – além de já ter vindo ao Brasil outras quatro vezes. O fator “novidade” para o público paulistano, desta vez, se restringiu aos sons do novo álbum, que ainda não haviam sido devidamente tocadas por aqui.

E os escoceses não fizeram pouco caso da situação. Contrariando grande parte dos setlists recentes, o Franz Ferdinand deu início ao show em São Paulo com a animada “Right Action”, do novo disco, quando o relógio apontava 22h15. A recepção calorosa da música nova já denunciava o caráter do público no Espaço das Américas: em menor número em relação ao esperado, mas com interesse e pique suficientes para acompanhar o grupo em um passeio irrestrito aos quatro álbuns (ou dez anos) de carreira da banda.

Logo em seguida, veio “No You Girls”, um dos maiores hits do Franz Ferdinand (e do indie rock), capaz de chacoalhar a casa de shows, colocando todos os presentes para dançar. “Tell Her Tonight”, do primeiro disco (Franz Ferdinand, 2004), e “Evil Eye”, do último, mantiveram o clima para “The Dark Of The Matinée”, “Do You Want To” e “The Fallen” encerrarem a diversificada e instigante parte inicial da apresentação.

Lollapalooza 2013: lembre como foi o segundo dia do festival, com o show do Franz Ferdinand.

A plateia só foi se acalmar com a sequência pouco cativante de “Lucid Dreams”, “Erdbeer Mund” e “Michael” – único ponto baixo no setlist. “Erdbeer Mund” traz o guitarrista Nick McCarthy nos vocais, se esforçando com firmeza para disfarçar a falta de uma voz afinada. Apesar disso, McCarthy – que também se ocupa com os sintetizadores do grupo – demonstrou desenvoltura e intensidade como instrumentista, sendo responsável pelo som mais vivo da banda ao vivo, em comparação aos discos.

O público voltou a participar ativamente com a balada “Walk Away”, que ganhou arranjo mais arrastado, com o irreverente verso “I love the sound of you walking away”, cantado de maneira ironicamente delicada. Outra balada, “Stand on the Horizon” – esta, um pouco mais azeda –, mostrou a força de Right Thoughts, Right Words, Right Action no repertório do Franz: foram tocadas seis (das dez) músicas do álbum em São Paulo.

Com um aceno de cabeça, o sorridente Alex Kapranos trouxe de volta a apresentação a animada veia dançante, puxando “Can't Stop Feeling”, seguida por “Auf Achse” e “Brief Encounters”. Como alguém sincero e bem-humorado, o Franz Ferdinand parece deixar qualquer tipo de mistério de lado em cima do palco, fazendo um convite simples e irrecusável para uma noite de dança e diversão. Foi assim com a sequência arrebatadora de “Take Me Out” e “Ulysses” – que contou com um erro de entrosamento recompensado pelo final contagiante.

Alex Kapranos, vocalista do Franz Ferdinand, fala sobre novo disco e a relação da banda com o Brasil.

Ainda rolaram “Love Illumination” e “Outsiders” antes de um encerramento com todos os integrantes carregados de baquetas em cima da bateria de Paul Thomson, criando sequências rítmicas suficientes para arrancar aplausos calorosos da plateia. Após poucos minutos de luzes apagadas, o Franz Ferdinand voltou ao palco do Espaço das Américas para as performances derradeiras de “Jacqueline”, “Goodbye Lovers and Friends” e “This Fire”. As repetições do refrão da última faixa, as subidas de Kapranos nas caixas de som e os pulos incansáveis da plateia só deixavam claro que, apesar de o show estar chegando ao fim, ninguém queria voltar para casa, nem mesmo em uma cotidiana terça-feira.

Com um repertório que não distingue fases ou datas, os shows da turnê de Right Thoughts, Right Words, Right Action adquirem consistência e coerência, sem precisar de hits como bengalas, passando um retrato fiel do que é o Franz Ferdinand após quatro álbuns lançados. Apesar de demonstrar algumas rusgas – representadas pela venda mais tímida de ingressos –, a relação entre a banda escocesa e o público brasileiro segue forte, após uma recepção ativa por parte da plateia, que saiu satisfeita com mais um encontro dançante com o Franz Ferdinand.

A visita da banda europeia ao Brasil segue com um show no Rio de Janeiro, na próxima quinta-feira, 2.

Franz Ferdinand no Rio de Janeiro

2 de outubro (quinta-feira)

Vivo Rio – Av. Infante Dom Henrique, 85 - Parque do Flamengo, Rio de Janeiro - RJ

Ingressos: entre R$ 360 e R$ 600

Mais informações