Shawn Mendes se arrisca no português e protesta contra mudanças climáticas em São Paulo

Cantor canadense deu início à turnê pelo Brasil nesta sexta, 29 - ainda fará show em São Paulo e no Rio

Isabela Guiduci Publicado em 29/11/2019, às 23h56

None
Shawn Mendes em São Paulo, 2019 (Foto: Reprodução - Twitter)

O relógio marcava exatamente 20:59 desta sexta, 29 de novembro, quando os gritos tomaram conta do Allianz Park, em São Paulo, à espera do cantor canadense Shawn Mendes. Um vídeo com a música “Lost in Japan” ao fundo agitou os presentes que carregavam luzes coloridas em pulseiras, entregadas ao público antes do início do show. 

Shawn Mendes subiu ao palco com o violão e com a banda dele para enfim dar início à animada faixa, escolhida para abrir a noite. A canção foi acompanhada dos gritos ensurdecedores e das luzes coloridas que iluminavam todo o estádio. 

No centro, próximo ao palco, um poste em formato de uma rosa iluminava e também decorava o espaço, e combinava como brilho latejante das pulseiras nas mãos do público

Ao final da terceira música, “Nervous”, Shawn se arriscou no português: “E aí, São Paulo, eu tenho gratidão por você. Muito obrigado. Eu te amo." A declaração levou o público a puxar um coro em resposta: “Shawn, eu te amo”. Vale lembrar que o pai do cantor, Manuel Mendes, é português, então o contato dele com a língua é próximo.

“A gente pensou em como fazer o melhor show possível pra vocês. O som, a música, mas a melhor parte do show é vocês. Então, cantem o mais alto que conseguirem”, disse o cantor antes de puxar um dos maiores sucessos da carreira, “Stitches”.

Um trecho de “Señorita,” hit de 2019, veio em sequência, em uma versão diferente - com Shawn ao piano e em um medley com “I Know What You Did Last Summer” e “Mutual”, faixa do mais recente disco. 

Mais uma vez no piano, o cantor acalmou o público com a triste e melancólica “Never Be Alone”. Shawn passou o show entre os acordes da guitarra, violão e o as teclas. Nessa constante troca,  mostrou-se disposto a encantar o público. Sem sair muito do centro, as movimentações dele ficavam reclusas aos instrumentos.

“Os brasileiros são as pessoas mais lindas de todo o mundo”, afirmou Shawn Mendes no show em São Paulo. O canadense conversou com o público logo após fazer um cover acústico de “I Wanna Dance a With Somebody”, da Whitney Houston. A versão foi a responsável por iniciar um momento acústico do show com músicas como “Life Of The Party” e “Like to Be You”.

A apresentação foi dividida em três partes, sendo a segunda a mais ‘calma’ se comparada as outras. “Treat you Better” foi a escolhida para abrir a terceira e última parte do show, mais romântica. “Se você trouxe o crush para o show hoje e estava esperando por esse momento. Esse é o momento”, brincou Shawn antes de iniciar “Fallin’ All in you”. 

O canadense não deixou de falar sobre questões políticas no show. Shawn usou “Youth” parceria com Khalid, para protestar sobre as questões climáticas e pediu para o público não deixar “ninguém tirar nossa juventude”. O cantor levantou o violão que carregava a frase “Climate action Now” (em tradução livre, “Ação climática agora”).

Em seguida, em “If I Can’t Have You” desceu do palco pela primeira vez na noite e interagiu rapidamente com o público - pegou até uma bandeira do Brasil.

Shawn parece saber escolher uma setlist. Nela, o músico mesclou os grandes sucessos como “There’s nothing holdin’ me back” que agradou o público em unanimidade, mas sem deixar de fora as preferidas dos fãs como “Why”. 

Já na reta final, Shawn voltou ao piano para uma versão de “Fix You” do Coldplay. Para terminar, o canadense deixou “In My Blood”, principal hit do disco que deu origem à turnê Shawn Mendes The Tour. A composição fala abertamente sobre a luta dele com a ansiedade. 

Embora seja mais quieto no palco por carregar o violão - ou a guitarra - o cantor manteve as pessoas bem entretidas e animadas. Em todas as canções, Shawn convidava o público  para cantar junto e na maior parte delas, interagia com frases em agradecimento ao carinho recebidos, mas sem muita conversinha. O canadense também não economizou nos falsetes e encantou o público. 

A presença de palco esperada dos cantores pop foi cumprida com êxito pelo músico canadense, que prende com carisma e agradou à todos os presentes. 

Os hits

Shawn lançou o primeiro disco de estúdio, Handwritten, em 2015 - rendeu diversos hits, como “Stitches”, “Life of The Party” e “Never Be Alone." Em 2017, o cantor ganhou ainda mais notoriedade com os sucessos “There’s nothing holding me back”, “Treat You Better”, “Mercy” e “Ruin” os quais integram álbum Illuminate. 

Em 2019, o terceiro disco de estúdio - e que dá nome à turnê -, Shawn Mendes, foi lançado. Mais uma vez, repleto de hits como “Lost in Japan”, “In My Blood”, e uma parceria com Khalid em “Youth”. 

Neste ano, o hit "Senõrita", uma colaboração do cantor com Camila Cabello, alcançou o primeiro lugar na Billboard. Logo após o lançamento, a música ficou entre as mais ouvidas mundialmente no Spotify. A canção marca a segunda colaboração entre a dupla, a primeira foi "I Know What You Did Last Summer" em 2015, do disco Handwritten. 

“If I Can’t Have You” também marca os sucessos de Shawn Mendes em 2019 que já soma mais de 404 milhões de streamings no Spotify. E, recentemente, o músico colaborou com Taylor Swift no remix de “Lover”, faixa que integra o disco de mesmo nome da cantora, lançado também neste ano.

A turnê continua

Shawn segue com a turnê pelo Brasil. No sábado, 30 de novembro, volta ao Allianz Parque, em São Paulo. A apresentação está esgotada há meses. Depois, segue para o Rio de Janeiro, com o show marcado para o dia 3 de dezembro e fecha a agenda do país. 

Todas as apresentações em solo brasileiro contam com a abertura da banda mineira Lagum, que animou o público ansioso nesta sexta, 29.

Essa é a terceira vez de Shawn Mendes no país. Anteriormente, se apresentou no Palco Mundo do Rock in Rio2017 e foi a pessoa mais jovem a estar no principal palco do festival. Em 2018, o canadense fez uma apresentação única no Villa Mix, em Goiânia.