“Encaro cada show do Strokes como se fosse o último”, diz Albert Hammond Jr.

Guitarrista afirma que a banda segue sem planos para novas apresentações

Redação Publicado em 05/06/2015, às 11h22 - Atualizado às 11h54

The Strokes

Ver Galeria
(3 imagens)

Algumas declarações do guitarrista do Strokes, Albert Hammond Jr., colocam um ponto de interrogação em relação ao futuro da banda, que voltou aos palcos no último dia 1º – com uma apresentação no festival espanhol Primavera Sound 2015 –, após quatro anos de hiato.

Acredite se quiser: dez artistas que amamos e que nunca chegaram ao topo da parada nos EUA.

Em entrevista à Radio 6 Music, da BBC, o guitarrista disse: “Não sei nem se vamos fazer outros shows”, quando perguntado se estava trabalhando em novo material com a banda. O Strokes toca em Londres pela primeira vez em cinco anos, no Hyde Park, no próximo dia 18 de junho, pelo festival British Summer Time.

“Não sei se Londres será nosso último show, sabe o que quero dizer?”, acrescentou Hammond Jr. “As pessoas pensam que estou mentindo – mas estou cansado de tentar deixar uma boa impressão –, mas não faço ideia.”

Exclusivo: Julian Casablancas joga futebol, diz ser fã de Beethoven e confessa que quer confundir os fãs.

O guitarrista, que lança em 31 de julho seu terceiro álbum solo, Momentary Masters, ainda concluiu, tentando resumir o pensamento: “Então, encaro cada show como se fosse o último, apego-me e aprecio isso.”

Provavelmente surpreso com a repercussão das declarações, Hammond Jr. depois foi ao Twitter e tentou se explicar. “Leia a matéria inteira, e não apenas a aspa da manchete”, escreveu, em resposta a uma pergunta de um usuário sobre a possibilidade de o show em Londres ser o último.

Após hiato de quatro anos, The Strokes finalmente volta aos palcos da Europa – saiba como foi.

Em abril deste ano, o vocalista Julian Casablancas havia comentado que o quinteto está compondo novamente “pela primeira vez e de maneira exclusiva”, desde Comedown Machine, mais recente disco deles, de 2013.

“Temos planos de gravar o material”, disse ele ao site norte-americano Noisey. “Ainda acho que podemos fazer coisas bacanas juntos. Quero continuar com as duas [bandas], sinceramente, se eu pudesse.”