Pulse

Show eletrizante do Queen com Adam Lambert abriu o Oscar 2019: assista

Banda convidada ainda viu o filme Bohemian Rhapsody ganhar quatro estatuetas na premiação

Rolling Stone EUA Publicado em 25/02/2019, às 10h09

None
Adam Lambert e Brian May, do Queen, abriram o Oscar 2019 (Foto: Chris Pizzello/Invision/AP)

O Queen deu início à cerimônia do Oscar com Adam Lambert nos vocais. Bohemian Rhapdody, a cinebiografia baseada na vida e no legado de Freddie Mercury, foi o dono da noite, quando o assunto foi o número de estatuetas levadas para casa.

O longa, no total, foi premiado quatro vezes. Três em categorias técnicas, de edição, edição de som e mixagem de som, e uma das principais, quando Rami Malek, intérprete de Freddie, ficou com a estatueta de melhor ator.

+++ ANÁLISE: Após #OscarSoWhite, Oscar histórico consagra Mahershala Ali, Spike Lee e Pantera Negra

Voltando ao show de abertura, o guitarrista Brian May foi o primeiro a aparecer no palco, mostrando a icônica batida de "We Will Rock You". Lambert se juntou a ele e fez uma homenagem aos vocais icônicos de Mercury, em uma performance esvoaçante.

O grupo emendou, então, “We Are the Champions”. Nos fundos, a imagem de Freddie era exibida no telão, para amarrar o fim da performance.

Antes do lançamento do filme, em novembro do ano passado, Bohemian Rhapsody havia tido Sasha Baron Cohen como o ator para viver Freddie Mercury. Mas divergências criativas entre o ator e a equipe do filme, incluindo os integrantes do Queen, que atuam como produtores, desfizeram a parceria.

+++ LEIA: Bohemian Rhapsody tem noite dos sonhos, mas Green Book é o melhor filme

Rami Malek entrou no projeto em 2016. Ao receber o Oscar, o ator ainda disse: "Eu sei que não fui a primeira escolha, mas até que deu certo, né?"

Em 2017, outro problema. O diretor Bryan Singer foi demitido depois de se ausentar do set seguidas vezes e ser acusado de abuso sexual. Dexter Fletcher foi contratado às pressas para terminar o filme.

O filme também foi criticado pela forma como retratou a vida pessoal e a sexualidade de Freddie Mercury.

Apesar das controvérsias, Bohemian Rhapsody é a cinebiografia mais bem sucedida da história e, agora, tem quatro estatuetas do Oscar.