Show performático e juras de amor escondem falta de profundidade do Imagine Dragons em São Paulo

Grupo se apresentou neste sábado, 18, na Arena Anhembi

Thiago Neves Publicado em 19/04/2015, às 00h52 - Atualizado às 03h48

Dan Reynolds
Divulgação/T4F

O Imagine Dragons não é um grande alvo de críticas da mídia especializada. O quarteto de Las Vegas, inclusive, apresenta um visual hype, bem adequado aos padrões predominantes na indústria musical atualmente. O problema é que a banda passa longe de ser brilhante e inovadora ou até mesmo inventiva. Em concerto repleto de altos e baixos, refrãos enfáticos e promessa de retorno ao Brasil que desencadeavam em “nós amamos vocês, São Paulo”, o Imagine Dragons não conseguiu se provar amadurecido na noite deste sábado, 18, durante um show na Arena Anhembi, na capital paulista.

Relembre a apresentação do Imagine Dragons no Lollapalooza Brasil 2014.

Os tambores, marca registrada do grupo, estiveram presente na apresentação. Talvez, inclusive, tenham encontrado na avenida do samba paulistana o lugar ao qual pertencem, pois, nos concertos do Imagine Dragons, são elemento de cena, ao ponto de que pouco contribuem para a estrutura estética das canções, dispensáveis. Com a turnê do álbum Smoke + Mirrors, o grupo explorou sucessos do disco anterior, Night Visions (2012).

Iniciando com “Shots”, seguida de “Trouble”, Dan Reynolds e companhia arrancaram gritos da diversa plateia. Entre jovens, famílias e muitos smartphones, o Imagine Dragons embalou hits como “Demons”, “Gold” e “I’m So Sorry”. Até “Forever Young”, clássico do Alphaville, serviu de adereço pra uma performance completamente cativante, Reynolds, encarregado de comandar a missão, declarou amor pelo público, apresentou a banda, contou histórias e, por fim, prometeu voltar o quanto antes para rever, nas palavras do vocalista, “a melhor audiência do mundo”. Um galanteador.

Entre as constantes conversas com os fãs, o cantor conduziu um show coerente com o que é o Imagine Dragons. A apresentação, contudo, foi breve profundidade musical, minimamente inventiva e, em determinados momentos, cansativa. O grupo de Las Vegas já havia vindo no Brasil em 2014, para o Lollpalooza. Nesse meio tempo, pouco se sofisticou e não atribuiu ao repertório novos elementos, amadurecendo a identidade da banda. Preso no tempo e sem apontar para nenhuma direção, o Imagine Dragons ainda sim conseguiu anestesiar a plateia ao tocar “Radioactive”, maior sucesso da banda. Com arranjo grandioso e agradecimentos sinceros, Reynolds afirmou que estava se sentindo em casa e reiterou que volta em breve. Com ideias novas, esperamos.