“Sinto uma enorme lacuna”, diz o produtor Brian Eno sobre a morte de David Bowie

"Agora eu consigo ver que estava se despedindo”, ele conclui a respeito de um e-mail que recebeu do artista na semana passada

redação Publicado em 11/01/2016, às 16h31 - Atualizado às 16h34

Bowie - Low
Divulgação

Brian Eno, o produtor cujas colaborações com David Bowie estão entre as mais inovadoras dentro do influente conjunto da obra do artista, registrou suas memórias a respeito do cantor em um comunicado divulgado após a notícia da morte do cantor, que foi vítima de um câncer no último domingo, 10. "A morte de David foi uma surpresa completa para mim, assim como quase tudo que dizia respeito a ele", declarou Eno. "Sinto uma enorme lacuna agora.”

Eno colaborou com Bowie pela primeira vez no icônico disco de 1977 Low, sendo que Eno ficou responsável pelos teclados e alguns outros acabamentos do álbum, considerado o início da Trilogia de Berlim de Bowie. Naquele mesmo ano, Eno trabalhou com o artista em “Heroes", tendo inclusive ajudado a escrever a faixa que dá título ao álbum. A trilogia foi concluída em 1979 com Lodger, cheia de faixas que Eno e Bowie compuseram em parceria.

"A gente se conhecia há mais de 40 anos", Eno escreveu. "Nos últimos tempos, com ele morando em Nova York e eu em Londres, nossa conexão era por e-mail. Assinávamos as mensagens com nomes inventados: alguns dos deles eram Mr. Showbiz, Milton Keynes, Rhoda Borrocks e Duke of Ear."

Em 1995, Bowie e Eno se reuniram para trabalhar no disco conceitual Outside, sendo que Eno foi cocompositor de quase todas as 19 faixas do álbum. "Há mais ou menos um ano, começamos a falar sobre Outside, nossa última colaboração. Ambos gostávamos daquele disco e sentíamos que não tinha tido a devida atenção. Falamos sobre revisitá-lo, fazer algo novo com aquilo. Estava ansioso por isso."

Embora a morte de Bowie tenha surpreendido Eno, o produtor revelou que Bowie deu pistas de que tinha pouco tempo de vida na última troca de correspondência deles. "Recebi um e-mail há sete dias. Era engraçado como sempre, e surreal, cheio de trocadilhos e alusões e todas as coisas esquisitas que a gente sempre fazia. Terminava com a frase: 'Obrigado por todos nos nossos bons momentos, Brian. Eles nunca vão estragar’. E a assinatura era Dawn [que pode ser traduzido como alvorada, despertar]", Eno escreveu no depoimento. "Agora eu percebo que ele estava se despedindo."