Slash relembra morte por overdose de heroína e cocaína na década de 1990

Guitarrista do Guns N' Roses sofreu uma parada cardíaca, mas foi ressuscitado - um "sentimento inconfundível," classifica

Redação Publicado em 28/11/2019, às 17h35 - Atualizado às 18h01

None
Slash durante show no Brasil (Foto: Thaís Azevedo)

Slash, guitarrista do Guns N' Roses, deu entrevista para a BBC Radio 5 em julho deste ano e falou sobre um assunto incomum: sua experiência de morrer - e voltar à vida logo em seguida. 

+++LEIA MAIS: Slash lembra de quando flagrou a mãe e David Bowie pelados; entenda

Na década de 1990, no auge da popularidade do Guns N' Roses,Slash teve uma overdose da droga "speedball", uma mistura de cocaína e heroína. Durante oito minutos, o guitarrista sofreu uma parada cardíaca no corredor de um hotel, mas foi ressuscitado. 

A experiência traumática serviu de ensinamento. Atualmente sóbrio, Slash se sente abençoado: "Tenho muita sorte que consegui passar por tudo isso, sair do outro lado e ter minha paixão pela música intacta e estar fisicamente bem. Realmente, considero ser super abençoado, porque deveria ter sido de outro jeito," revelou o músico.

+++ LEIA MAIS: Há 32 anos, o Guns N' Roses dominava o mundo como os últimos selvagens do rock com o disco Appetite For Destruction

Apesar dos oito minutos em que sofreu a parada cardíaca, Slash se recorda bem daquele dia: "Lembro de tudo até aquele momento. E tudo depois disso foi acordar com os paramédicos, e eu ainda estava no hotel. Quero dizer, isso aconteceu no corredor do hotel."

Durante a entrevista, o músico também detalhou a sensação de voltar à vida: "Há uma coisa que acontece quando os paramédicos acordam você da morte assim, onde é apenas, tipo, esse enorme choque de energia e luzes, vozes e pandemônio, e é um sentimento inconfundível. Já tive isso algumas vezes, e lembro disso," explicou Slash.

+++LEIA MAIS: Novo disco do Guns N' Roses deve sair em seis meses, diz empresário

Atualmente, o guitarrista está sóbrio há 13 anos, mas não foi fácil. Depois do trabalho de definir os motivos para não voltar a usar drogas, é preciso ter um "tipo de existência diferente e trabalhosa," mas tudo isso recompensa: "Não faria nada parecido com o que venho fazendo nos últimos 13 anos se ainda estivesse indo como estava. Provavelmente, não estaria aqui," disse o guitarrista.