Social Distortion relembra 30 anos de carreira em SP

Ícones do punk rock se apresentaram pela primeira vez na capital paulista neste sábado, 17

Por Cassiano Barbosa Publicado em 18/04/2010, às 17h08

Em uma noite na qual parecia estar presente todo o underground do rock paulistano reunido, a impressão era de que estávamos diante da apresentação de uma banda como o Ramones, tamanha a similaridade do clima pré-show. Na verdade, estávamos prestes a ver outro grupo lendário do punk rock: o Social Distortion, que neste sábado, 17, tentou sintetizar uma carreira de mais de 30 anos em seu primeiro show em São Paulo.

Na primeira metade da apresentação, várias musicas da época mais hardcore da banda, como "Creeps" e "Mommy's Little Monster", fizeram a alegria das dezenas de adeptos do slam dancing nos mosh pits. Enquanto isso, faixas como "Sick Boy" e "Ball and Chain" mostravam mais a original mistura dos elementos de rockabilly, country e folk, que moldou o caráter sonoro do Social Distortion.

Apesar da boa vontade da banda e da simpatia de Mike Ness com os fãs, o som meio embolado que saia das caixas de som comprometeu a apresentação em alguns momentos. Nada capaz de abalar o show como um todo.

Os fãs tiveram uma surpresa ao ouvir a inédita "Still Alive", com um final surpreendente, embalado por piano. O primeiro bis teve ótimas performances e empolgação do publico, com as faixas "Making Believe" e "Cold Feelings", do clássico Somewhere Between Heaven and Hell, de 1992. Após esse sucesso, eles retornaram para mais um bis, que contou com "Prison Bound", "Ring of Fire" (regravação do sucesso de Johnny Cash) e uma promessa: a banda pretende voltar ao país em 2011.