Solange Knowles não é Beyoncé – mas é, à sua maneira, tão boa performer quanto

Cantora se apresentou no segundo dia do festival Made in America, na Filadélfia

Bruna Veloso, da Filadélfia Publicado em 02/09/2013, às 02h38 - Atualizado em 04/09/2013, às 13h59

Solange no Budweiser Made in America
Getty Images/Divulgação

Assim como Beyoncé, Solange Knowles lançou o primeiro disco da carreira aos 16 anos. Ela não é tão conhecida quanto a irmã mais velha, mas herdou desde cedo o amor pela música, ainda que ambas tenham seguido por caminhos diferentes, como ela mostrou em show na tarde deste domingo, 1, no festival Budweiser Made in America.

Havia um público considerável esperando por Solange no palco Liberty, o espaço secundário do evento. Para qualquer um ali, bastavam cinco minutos sob o sol do meio da tarde (ela começou o show por volta das 15h45) para começar a suar copiosamente, dado o calor do final do verão norte-americano. Mas Solange queria fazer o público suar ainda mais, dançando ao som da mistura de soul, R&B e um quê de música eletrônica que ela e sua banda promovem.

Tendo sido Beyoncé a atração principal do primeiro dia do Budweiser Made in America (saiba aqui como foi o show), é inevitável fazer comparações, ainda que a Knowles mais nova as repudie. Solange passa longe de uma superprodução, mas dança com desenvoltura como a irmã – e, assim como Beyoncé, é dotada de um carisma irresistível. “É uma honra ver vocês cantando as músicas velhas, as músicas novas”, disse ela, humilde, logo no começo de sua apresentação.

Solange tem dois discos de estúdio (Solo Star, de 2003, e Sol-Angel and the Hadley St. Dreams, de 2008), mas foi com o EP True, lançado no ano passado, que caiu nas graças dos hipsters. Mas se, no senso comum, hipsters são um tanto marrentos – ou blasé –, de hipster Solange não tem nada.

Acompanhada por um guitarrista/tecladista, um baixista, um baterista e duas backing vocals, Solange dançou muito – mesmo sem ter bailarinas ao seu lado, ela faz coreografias e pede que o público a acompanhe, como fez antes de “Something Never Seem to Fucking Work” e “Locked in Closets”.

Mas o ponto alto de interação com a plateia da Filadélfia foi em “Losing You”, hit de True. “Não importa de onde vocês vêm, qual sua cor, quanto vocês ganham, quando a batida começar, quero ver todo mundo se soltando”, pediu Solange antes da música. E a resposta veio na forma dos passos de todos que estavam assistindo à cantora – não dava para ver ninguém que não tivesse atendido ao pedido da artista.

Para quem é de São Paulo, fica o conselho: vale a pena ver o show da artista em novembro, no Cine Joia. Solange não é Beyoncé – mas é, à sua maneira, tão boa performer quanto.