Spike Lee critica Django Livre: “A escravidão não é um western spaghetti”

“Tudo o que vou dizer é que é desrespeitoso com meus ancestrais”, disse o cineasta sobre o filme de Quentin Tarantino

Redação Publicado em 24/12/2012, às 11h35 - Atualizado às 12h28

Jamie Foxx em Django Livre
Reprodução

Django Livre ainda não estreou por aqui, mas recebeu muitos elogios por aqueles que já tiveram a oportunidade de ver o novo trabalho de Quentin Tarantino. O longa, no entanto, está longe de ser uma unanimidade – pelo menos o diretor Spike Lee não gostou muito da forma como o filme abordou a questão da escravidão nos Estados Unidos.

Galeria: veja fotos de Django Livre.

“A escravidão norte-americana não é um western spaghetti de Sergio Leone. Foi um holocausto. Meus ancestrais são escravos roubados da África. Vou honrá-los”, tuitou o diretor que antes já havia demonstrado desconforto com o longa. “Tudo o que vou dizer é que é desrespeitoso com meus ancestrais. Isto é para mim... Não estou dizendo ou agindo por ninguém mais”, ele disse em entrevista ao VIBETV.

Em Django Livre, Jamie Foxx é um escravo liberto que luta para recuperar sua mulher. Estão no longa também Leonardo DiCaprio, Christoph Waltz, Kerry Washington e Samuel L. Jackson. A estreia no Brasil acontece dia 18 de janeiro.