Spike Lee muda de ideia e pede desculpa por defender Woody Allen das acusações de abuso sexual

O cineasta se manifestou no Twitter e condenou qualquer ato de violência sexual

Redação Publicado em 14/06/2020, às 12h00

None
Spike Lee (foto: AP)

Spike Lee se desculpou nas redes sociais após defender Woody Allen das acusações de abuso sexual, segundo informações da NME. Em uma entrevista recente à rádio WOR 710, o cineasta disse que conhecia Allen e criticou a cultura do cancelamento.

"Gostaria de dizer que Woody Allen é um ótimo cineasta [...] E essa coisa de cancelar não é apenas com o Woody", disse Lee.

+++LEIA MAIS: Spike Lee se posiciona contra reabertura de cinemas durante a pandemia de coronavírus

Ele completou: “Eu acho que, quando você sabe, nós olhamos para trás. Nós veremos isso. Não sei se matar alguém, não sei, você apaga alguém como se nunca existisse. Então, Woody é um amigo meu, um colega fã de Knick, então eu sei que ele está passando por isso agora. "

Allen foi acusado de abusar sexualmente da enteada Dylan Farrow, filha adotiva da ex-companheira Mia Farrow. Segundo a escritora, o padrasto cometeu o crime quando ela tinha 7 anos de idade.

+++ LEIA MAIS: Spike Lee compara cena de filme dele à morte de George Floyd: 'Não vai parar de se repetir?'

O diretor negou todas as acusações e, em uma conversa com o The Guardian, ainda criticou os atores que decidiram seguir a “tendência” de denunciar ele. 

Depois do comentário de Lee ganhar repercussão entre os usuários da web, o diretor de cinema mudou de ideia e escreveu um pedido de desculpa no Twitter. 

“Peço desculpas profundamente. Minhas palavras estavam erradas. Eu não tolero e não tolerarei assédio, agressão ou violência sexual. Esse tratamento causa danos reais que não podem ser minimizados."


+++ DELACRUZ | MELHORES DE TODOS OS TEMPOS EM 1 MINUTO