Spike Lee se posiciona contra reabertura de cinemas durante a pandemia de coronavírus

O diretor é também presidente do júri do Festival de Cannes

Redação Publicado em 24/04/2020, às 12h14

None
Spike Lee (foto: AP)

Spike Lee se manifestou contra a decisão de reabrir os cinemas no estado da Geórgia, EUA, apesar da disseminação contínua de coronavírus em todo o mundo.

O governador da Geórgia, Brian Kemp, causou polêmica após anunciar recentemente que estaria flexibilizando as restrições de quarentena e reabrindo negócios não essenciais, como cinemas, a partir do dia 27 de abril.

+++LEIA MAIS: O Motley Crue ignora a pandemia e segue com a turnê de 2020 marcada? Entenda a história

O diretor de Infiltrado na Klan (2018) deixou claro que não apoia a decisão em uma declaração compartilhada com a Vanity Fair. Lee disse que o foco deve estar em testar a população para o vírus e não em reabrir os cinemas, suscetíveis a permitir transmissão em massa.

“Cinemas abertos agora? Pro inferno com isso”, escreveu Spike Lee. "Tenho muito mais filmes para fazer e não vou arriscar a única vida que tenho. Teste. Testes testes testes testes e mais testes (sic). "

+++LEIA MAIS: Como os Rolling Stones criaram ‘Living In a Ghost Town’ em 10 minutos e adaptaram para a quarentena

A declaração veio depois que Lee foi nomeado Presidente do Júri no 73º Festival de Cannes, que deveria ocorrer de 12 a 23 de maio de 2020. Devido às restrições de viagem em meio à pandemia, Cannes foi adiada, mas a nomeação de Lee permanece histórica como o primeiro chefe negro do júri.

Em sua nomeação, Spike Lee disse em um comunicado: “Nesta vida que vivi, minhas maiores bênçãos foram inesperadas, quando aconteceram do nada. Quando recebi a ligação de que me foi oferecida a oportunidade de ser presidente do júri de Cannes em 2020, fiquei chocado, feliz, surpreso e orgulhoso, tudo ao mesmo tempo."


+++ RUBEL | MELHORES DE TODOS OS TEMPOS EM 1 MINUTO | ROLLING STONE BRASIL