Sublime With Rome canta os anos 90 no SWU

Banda lembrou hits da carreira e mostrou inéditas com a ajuda do novo vocalista, cuja semelhança com a voz de Bradley Nowell chega a assustar

Por Bruna Veloso Publicado em 11/10/2010, às 16h16

Rome Ramirez entoa hits no Sublime With Rome, no segundo dia de SWU

Ver Galeria
(3 imagens)

Às 17h50 era difícil se locomover pela área Premium da Arena Maeda, no festival SWU. O público chegou cedo para ver Sublime With Rome, o primeiro nome internacional deste domingo, 10, no palco Água.

Eric Wilson e Bud Gaugh, baixista e baterista originais do Sublime, desistiram de continuar com a banda após a morte do vocalista Bradley Nowell, por conta de uma overdose de heroína, em 1996. Em 2009, mais de uma década depois, a dupla encontrou o jovem Rome Ramirez, hoje com 22 anos, e decidiu reativar o repertório do Sublime - agora, devido a problemas com a Justiça dos Estados Unidos, o grupo se apresenta com o nome Sublime With Rome.

A semelhança da voz de Rome com a de Bradley chega a assustar. Ao fechar os olhos ao som de "Smoke Two Joints", "Wrong Way" e "Summertime", fica quase impossível perceber as diferenças entre os tons. Enquanto isso, Eric e Bud mantêm a qualidade da base da banda, com a ajuda de Todd Forman, que fica entre teclados e saxofone. E não bastasse a voz, Rome é também um grande guitarrista, como mostra no solo ensandecido da última música do show, "Let's Go Get Stoned".

Rome lembrou do antigo vocalista ao cantar o hit "What I Got", do terceiro e mais bem sucedido disco da banda (homônimo, lançado pouco depois da morte do cantor), ao gritar "Descanse em paz, Bradley". Antes de cantar "Santeria", ele diz, de um jeito rápido e um sotaque difícil de definir, que é a última música e que "sabe que todos conhecem", pedindo para que o público cantasse "a plenos pulmões". Ainda viriam "Badfish" e a já citada "Let's Go Get Stoned".

Além dos hits, a banda também mostrou músicas novas, que devem entrar em disco previsto para 2011.

Tudo azul

"Estou feliz. Não fazemos perfeito, mas é a integridade e a sensação que passamos no palco que contam. A gente sobe lá para dar o nosso melhor e tentarmos nos divertir ao máximo. E as pessoas têm sido bem receptivas", afirmou Rome Ramirez sobre a experiência de levar adiante o legado do Sublime, em entrevista exclusiva à Rolling Stone Brasil, em Londres. Leia aqui.