Pulse

Tarantino reage a polêmica com policiais nos EUA: "Parem de atirar em gente desarmada"

Presidente de sindicato de policiais de Nova York convocou um boicote ao diretor de cinema

Redação Publicado em 05/11/2015, às 10h58 - Atualizado às 12h36

Quentin Tarantino levou seu segundo Oscar, desta ver pelo roteiro de Django Livre. O primeiro foi por Pulp Fiction

Ver Galeria
(3 imagens)

O cineasta Quentin Tarantino decidiu se manifestar em relação à polêmica entre ele e a classe policial nos Estados Unidos. O diretor de Bastardos Inglório gerou revolta depois de participar de um protesto contra a violência policial no dia 24 de outubro, em Nova York.

Veja dez grandes personagens de Quentin Tarantino.

A manifestação aconteceu dias depois do assassinato de um soldado da polícia na cidade, o que levou o presidente do Patrolmen's Benevolent Association, maior sindicato de policiais de Nova York, Patrick Lynch, a convocar um boicote contra os filmes de Tarantino. "Não é uma surpresa que alguém que faça filmes glorificando crime e violência odeie policiais", declarou Lynch. "É hora de boicotar Quentin Tarantino."

Dez casos de vingança no cinema.

"Fiquei surpreso", respondeu Tarantino em entrevista ao canal de TV MSNBC. "Apenas pelo fato de eu estar em um protesto contra a brutalidade policial não significa que seu seja contra a corporação. Só quero que a polícia pare de atirar em pessoas desarmadas."

O cineasta afirmou que a polêmica não gerou pressão por parte das empresas responsáveis por Os Oito Odiados, seu próximo filme, esperado a partir de 7 de janeiro nos cinemas. E declarou que não se silenciará diante das ameaças de boicote.

"Sou um ser humano com consciência. E se você acredita que existem assassinatos acontecendo, então é preciso se revoltar e se levantar contra isso. Estou aqui para dizer que fico do lado das vítimas. Eu não posso me calar. Tenho que chamar um assassino de assassino e uma vítima de vítima", disse ele.