Terceira onda de Covid-19 deve aumentar mortes nas próximas semanas, apontam especialistas

Epidemiologistas alertam para novo agravamento da pandemia no Brasil

Redação Publicado em 16/06/2021, às 11h49

None
Limpeza de ruas na Favela Vila Ipiranga, em Niterói (Luis Alvarenga/Getty Images)

O Brasil se aproxima das 500 mil mortes pela Covid-19, e especialistas apontam para um novo aumento nos óbitos nas próximas semanas. Segundo cientistas e epidemiologistas, uma terceira onda irá agravar a pandemia no país.

Segundo a BBC, o sistema de saúde brasileiro está fragilizado - o que preocupa especialistas. O médico Marcio Sommer Bittencourt, do Centro de Pesquisa Clínica e Epidemiológica do Hospital Universitário da USP, disse (via G1):

+++LEIA MAIS: Fiocruz alerta para terceira onda 'ainda mais grave' de Covid-19 no Brasil

"Estamos com uma transmissão comunitária do coronavírus extremamente alta e em patamares fora do controle. Para completar, temos cada vez menos intervenções para controlar isso", explicou.

Com o relaxamento das medidas restritivas e retorno de atividades sociais e comerciais, as projeções são preocupantes. Estudos do Instituto de Métricas em Saúde da Universidade de Washington, nos Estados Unidos, indicam que o Brasil pode chegar a 727 mil mortes por Covid-19 até outubro de 2021.

+++LEIA MAIS: Governo Bolsonaro ignorou oferta de 60 milhões de vacinas, diz diretor do Butantan

O Brasil está na terceira onda?

Conforme noticiado pela BBC, especialistas não afirmam que o Brasil vive uma terceira onda - isso porque a pandemia no país não tem picos bem definidos, permanecendo estável (e com números altos) há vários meses.

Entre os picos de mortes e casos de Covid-19, o Brasil vive períodos de estabilidade nos quais os patamares ainda são muito altos. Leonardo Bastos, pesquisador em saúde pública, analisou: "Isso nos sugere que a transmissão comunitária do vírus ainda é muito alta."

+++LEIA MAIS: Cientistas preveem terceira onda de Covid-19 e 751 mil mortos até agosto no Brasil

"Vale lembrar que as hospitalizações e os óbitos são a ponta do iceberg no processo de transmissão. A epidemia é mantida pelos casos leves e pelas pessoas infectadas que ainda não apresentam sintomas, pois elas circulam livremente sem saber que estão com o vírus," concluiu o pesquisador. 


+++ URIAS | MELHORES DE TODOS OS TEMPOS EM 1 MINUTO | ROLLING STONE BRASIL