Terminando por cima

Scorpions se despede do público paulistano com show repleto de hits e casa cheia

Por Paulo Cavalcanti Publicado em 20/09/2010, às 10h53

Klaus Meine à frente do Scorpions em São Paulo

Ver Galeria
(4 imagens)

Assistir a um show dos Scorpions é como comer uma boa feijoada. Você sabe exatamente como vai ser o gosto, mas no final não vai sair reclamando. O caso de amor do Brasil com a banda já dura 25 anos, desde quando eles estiveram aqui no primeiro Rock in Rio, em 1985. Desde então, os roqueiros germânicos se apresentaram em nosso território incontáveis vezes, passando por partes do país que outras bandas nunca se aventuraram em pisar. E para este ano, o quinteto alemão veio com duas novidades, uma boa e outra nem tanto. A boa é que eles lançaram o bem-recebido CD Sting in The Tail. A má noticia é que eles anunciaram que esta é a turnê de despedida. Por isso, apesar da presença do Scorpions por aqui ser pra lá de manjada, os shows estão sempre lotaos. Foi o que aconteceu na noite de sábado, 18, no Credicard Hall, em São Paulo. A casa teve lotação máxima e presenciou uma apresentação como sempre cheia de energia, entusiasmo e tecnicamente sem falhas.

Às 22h30, Klaus Meine (vocal), Matthias Jabs (guitarra), Rudolf Schenker (guitarra), Pawel Maciwoda (baixo) e James Kottak (bateria) entraram no palco tocando "Sting in The Tail", a música que dá nome ao novo disco. Sem dar pausa para a plateia respirar, o quinteto atacou com uma sequência que teve "Make it Real", "Bad Boys", "The Zoo", "Coast to Coast" e "Loving You Sunday Morning". Klaus Meine conseguiu fazer com que plateia cantasse em peso "The Best Is Yet to Come", um dos destaques do novo álbum.

Depois de "Send Me An Angel", o publico se juntou novamente a Meine para entoar o refrão de "Holiday". A reflexiva "Wind Of Change" também foi cantada pelos fãs no Credicard Hall. O grupo então voltou acelerando com "Tease Me Please Me" e "Dynamite". Depois, o resto da banda saiu do palco e só ficou Kottak, que executou seu costumeiro solo de bateria e interagiu com o público. Enquanto isto, o telão atrás do palco passava vários filmes onde Kottak era o protagonista principal, sempre parodiando as situações das capas dos álbuns clássicos do Scorpions, entre eles Blackout, Love Drive e Animal Magnetism. E logo que terminou esta parte, o grupo inteiro retornou para executar a música "Blackout". O grupo deixou novamente o palco e o guitarrista Matthias apresentou um improviso chamado "Six String Sting". A banda retornou para encerrar com "Big City". E depois de uma breve pausa, teve o bis com a balada "Still Loving You", o maior hit mundial do Scorpions. O fim da festa ficou com o hino "Rock You Like a Hurricane".