Todos os episódios da 2ª temporada de Love, Death & Robots classificados do pior ao melhor [LISTA]

Série futurista criada por Tim Miller mostra o impacto da tecnologia nas relações humanas

Felipe Grutter (com supervisão de Yolanda Reis) Publicado em 13/06/2021, às 16h00

None
Episódios da 2ª temporada de Love, Death & Robots (Foto: Reprodução/Netflix)

Uma das séries mais diferenciadas da Netflix, a primeira temporada de Love, Death & Robots chegou ao streaming em março de 2019 com 18 episódios - cada um com uma história diferente. Sucesso de público e crítica, a produção criada por Tim Miller, diretor de Deadpool (2016), teve o segundo ano garantido pela plataforma.

Uma curiosidade sobre o seriado: a ordem dos episódios pode variar entre os assinantes da Netflix. Por exemplo, o primeiro episódio para um determinado perfil, pode ser outro para você. A segunda temporada de Love, Death & Robots estreou mundialmente em 14 de maio de 2021, mas com menos capítulos: foram apenas oito.

+++LEIA MAIS: Tudo o que sabemos sobre 2ª temporada de Eu Nunca, da Netflix: estreia, enredo e mais

No mesmo molde da temporada anterior, os novos episódios trouxeram novos personagens e estilos de animação diferente, mostrando o impacto da tecnologia nas relações humanas. O elenco contou com nomes como Matthew Yang King, Nolan North, Scott Whyte, Joe Dempsie e Michael B. Jordan.

Veja, abaixo, o ranking dos oito episódios da segunda temporada de Love, Death & Robots, do pior ao melhor, segundo nota da crítica no IMDb:

+++LEIA MAIS: 6 motivos para assistir Love, Death & Robots, série da Netflix [LISTA]


"Gelo" (6,1/10)

Dois irmãos vivem em um futuro onde humanos são modificados geneticamente para serem mais fortes e resistentes - e aqueles que não sofreram alterações são excluídos da sociedade. Ambos protagonistas partem para uma corrida mortal durante a madrugada.


"Atendimento Automático ao Cliente" (6,5/10)

Em uma sociedade baseada na ajuda de robôs inteligentes, uma senhora passa a ter a vida ameaçada por um robô limpador, o qual a trata como um perigo a ser exterminado de toda e qualquer maneira.

+++LEIA MAIS: Tudo o que sabemos sobre o live-action de Cowboy Bebop, da Netflix: elenco, trilha sonora e mais


"Gaiola de Sobrevivência" (6,6/10)

A nave espacial de um piloto é destruída durante batalha galática. O soldado busca refúgio em uma estação abandonada em outro planeta. Porém, um robô assistente apresenta defeitos e busca assassinar o humano, interpretado por Michael B. Jordan.


"A Grama Alta" (7,0/10)

Sem aviso, um trem faz uma parada no meio de uma área cercada por gramas altas. U dos passageiros aproveita a pausa para fumar, mas se depara com seres brilhantes e extremamente mortais.

+++LEIA MAIS: Em Loki, Tom Hiddleston quer deixar antigos truques para trás: ‘Estamos o libertando dessa armadilha’ [ENTREVISTA]


"O Gigante Acordado" (7,0/10)

Com uma narração mais introspectiva, o episódio mostra o surgimento do cadáver de um gigante em uma praia. Um cientista documenta e narra o processo da humanidade entendendo o acontecimento e a rendição do ser à natureza.


"Pela Casa" (7,4/10)

Na véspera de Natal, dois irmãos estão acordados. Quando sinos anunciam a chegada do Papai Noel, ambos descem as escadas na esperança de ter um vislumbre da lenda - mas encontram algo bastante bizarro.

+++LEIA MAIS: Por que as filmagens de X-Men eram terríveis para Hugh Jackman? Anna Paquin explica


"Snow no Deserto" (8,0/10)

Em uma animação com muitos detalhes e elementos realistas, Snow, humano albino e imortal, é caçado por uma variedade de assassinos de aluguel. Porém, no meio do caminho, conhece Hirald, mulher responsável por salvar a vida dele.


"Esquadrão de Extermínio" (8,1/10)

Em um futuro cyberpunk, a sociedade conta com um esquadrão de elite, controlado pelos ricos imortais, responsável por assassinar crianças e evitar uma crise econômica e social causada pela superpopulação.

+++LEIA MAIS: Velozes e Furiosos 9 'faz justiça às mulheres,' diz Michelle Rodriguez


+++ URIAS: 'AS PESSOAS ESTÃO COMEÇANDO A ENTENDER MAIS DE MIM' | ENTREVISTA | ROLLING STONE BRASIL