Tom Cruise foi convidado para Edward Mãos de Tesoura - mas a curiosidade dele estragou tudo

Antes de Johnny Depp, Robert Downey Jr., Tom Hanks e até Michael Jackson demonstraram interesse no papel

Redação Publicado em 08/10/2020, às 16h11

None
Tom Cruise (Foto: ImageChina / AP) e Johnny Depp em Edward Mãos de Tesoura (Foto: Reprodução)

Tom Cruise, conhecido pelos filmes de ação como Missão Impossível, quase foi protagonista de um dos maiores clássicos da década de 1990. O ator foi convidado para progragonizar Edward Mãos de Tesoura, de Tim Burton, mas saiu do papel por um motivo inesperado.

Caroline Thompson, roteirista do filme, relembrou em entrevista ao Dazed Digital (via CheatSheet), em 2015, sobre como o ator perdeu a oportunidade de interpretar Edward no drama. “[Cruise] queria saber como Edward usava o banheiro. Ele fazia esse tipo de pergunta sobre o personagem que não poderiam ser feitas sobre esse personagem!”, contou. “Parte da delicadeza da história estava em não responder perguntas como, ‘Como ele usa o banheiro? Como ele sobreviveu sem comer todos esses anos?’”

+++ LEIA MAIS: Como Johnny Depp se livrou das tatuagens para Winona Ryder e Amber Heard?

Sem receber as respostas, Cruise parecia “certamente sem interesse em participar” do elenco, como explicou a roteirista. Depois disso, Johnny Depp teve um encontro com Burton para conversar sobre o papel, mas não acreditava que seria realmente escolhido por conta da concorrência. Segundo a revista Dazed, Jim Carrey, Tom Hanks e até Michael Jackson demonstraram interesse no papel, enquanto Robert Downey Jr. chegou a ser considerado pela produção. 

“Passamos umas três horas falando sobre nossos gostos em comum, nos entendemos muito bem. Quando consegui o papel, eu tinha certeza que não seria contratado porque Tom Cruise quase foi escolhido”, contou Depp, em 2016, em entrevista durante Santa Barbara International Film Festival. “Vocês terão que falar com outra pessoa para saber disso, mas tem umas m**das muito engraçadas [sobre isso]”. 


+++ TERNO REI: ‘ANTES DE LANÇAR, VOCÊ NUNCA SABE SE É BOM OU RUIM’ | ROLLING STONE