Tom Hamilton diz que conversas entre os integrantes salvaram o Aerosmith

Baixista falou ainda que a decisão de Steven Tyler de tratar o vício em analgésicos também evitou o fim da banda

Da redação Publicado em 09/04/2010, às 13h46

Tom Hamilton, baixista do Aerosmith, revelou, em entrevista ao jornal Boston Herald, publicada nesta quinta, 8, que se não fossem pelas conversas e pela decisão de Steven Tyler de entrar em reabilitação, a banda teria acabado.

O Aerosmith, que se apresenta no Brasil em maio, passou por um conturbado período em 2009, que se estendeu até o início deste ano, envolvendo o vício de Tyler em analgésicos, sua quase saída do grupo e a procura de um novo vocalista. Após os acontecimentos, a banda, então, surpreendeu ao anunciar uma turnê com a presença do frontman, demonstrando que os problemas haviam sido resolvidos.

De acordo com o baixista, foram as longas conversas, realizadas em fevereiro, que salvaram o Aerosmith do fim. "Houve uma espécie de reconciliação e um processamento do que estava acontecendo", contou. "Todos disseram como gostariam que as coisas fossem no futuro e ficou claro que, para todos, a coisa mais legal a se fazer seria resolver os problemas com a banda."

"O telefone tocava e todo mundo queria ver o grupo. Percebemos, finalmente, que mesmo com todas as besteiras que estavam circulando, haveria uma coisa muito bonita naquilo tudo se conseguíssemos aproveitar." Hamilton admitiu ainda que se Steven Tyler não tivesse se encaminhado à reabilitação para tratar seu vício em analgésicos, o Aerosmith não teria sobrevivido. "Ele deu um grande passo e foi realmente ótimo."