Tom Morello não gosta de usar guitarras caras; a favorita custou R$ 151 em um brechó

Músico comprou o instrumento antes de ganhar o primeiro Grammy do Rage Against the Machine

Redação Publicado em 07/04/2020, às 08h12

None
Tom Morello (Foto: Amy Harris/Invision/AP)

Tom Morello, guitarrista do Rage Against the Machine, sempre foi conhecido por ter usado poucas guitarras ao longo da carreira. Em entrevista ao Q104.3 New York, o guitarrista falou sobre a coleção de guitarra dele, enquanto promovia a nova linha de assinatura da Fender, a Stratocaster Soul Power, vendida nos EUA por US$1,299.99.

Como Morello teve poucas guitarras, o entrevistador perguntou o que é preciso para uma delas chegar ao palco e se Tom tem uma coleção de guitarras que não toca ao vivo. O músico respondeu: "O que é preciso para a minha ilha de guitarras de brinquedo desajustadas? Não tenho guitarras caras, não tenho guitarras sofisticadas - tenho guitarras que falaram comigo de maneiras diferentes ao longo dos anos".

+++LEIA MAIS: Paul McCartney, Beach Boys e um salsão: como isso virou uma música?

Em seguida, Tom Morello falou como os instrumentos chegam ao palco. "Bem, eu sabia da Soul Power logo de cara, me comprometi com isso antes mesmo de escrevermos uma música com o Audioslave. Eu pensei, 'Onde quer que essa guitarra me leve nessa jornada, é para onde a jornada vai para mim como guitarrista'".

Morello continuou o raciocínio: "Outras vezes, talvez eu goste da cor de uma guitarra; uma das minhas guitarras favoritas era de 40 dólares canadenses, cerca de R$ 150, [comprada] em um brechó. Isso ganhou o primeiro Grammy da Rage".

+++LEIA MAIS: As 5 melhores músicas pop rock dos anos 1990, de acordo com a Loudwire

Por fim, o guitarrista falou do relacionamento dele com aquele instrumento. "Portanto, não há realmente nenhuma fórmula para isso, mas algo tem que realmente falar comigo, e essa guitarra fez isso muito profundamente", e adicionou: "no segundo em que cheguei em casa, no segundo em que comprei essa guitarra, rabisquei Soul Power porque sabia que era uma nova era para a minha música e uma nova banda com o Audioslave.


+++ DISCOGRAFIA DO THE STROKES: OS ALTOS E BAIXOS DOS ARRUACEIROS DE NOVA YORK