Tom Morello pilota jam session de 4 horas em L.A.

Slash, Tim Robbins e Serj Tankian se juntaram ao ex-Rage Against

Por Richard L. Dewey Publicado em 14/12/2007, às 18h41 - Atualizado em 15/12/2007, às 12h15

Morello (à dir.) e Ben Harper, em show no Hotel Cafe, em L.A., em abril deste ano
Chris Pizzello/AP

Tom Morello deu um presente de Natal adiantado para os pouco mais de 100 fãs no Hotel Cafe em Hollywood na noite de quinta-feira, 14. Como era o seu último show do ano como Nightwatchman, o guitarrista do Rage Against the Machine juntou um grupo eclético de músicos que fizeram uma inspirada jam com covers e colaborações em mais de quatro horas.

As aparições semanais de Morello no aconchegante hotel servem como oportunidade para levantar fundos e reconhecimento para sua fundação social Axis of Justice, que promove assistência para os sem-teto e famintos. A noite começou normalmente, com Morello tocando uma série de sons acústicos. Com seu pequeno set finalizado, contou uma história sobre um homem com uma ótima voz em um tributo a Woody Guthrie. O homem era o vencedor do Oscar Tim Robbins, que então subiu ao palco e provou que merecia os elogios de Morello com uma sólida versão da clássica música de protesto "State of Mississippi", de Phil Oates, e a canção natalina "Silent Night".

Serj Tankian (System of a Down), que junto com Morello fundou o Axis of Justice, apareceu no piano logo em seguida para tocar duas músicas; e depois John Foreman, do Switchfoot, o compositor Elijah Woods e Richard Patrick, do Filter. Não parecia verdade quando Morello disse que a noite estava apenas começando, mas duas horas e meia depois, ficou claro que ele estava falando sério.

Momentos depois, Perry Farrell levou sua Satellite Party ao palco com Morello, acompanhando-o na guitarra em duas músicas antes de fechar com uma versão de "Jane Says". A noite aumentou o passo quando Morello chamou o Alice in Chains, que enviou Jerry Cantrell e Will Duvall, o novo vocalista do grupo. Ambos tocaram uma versão brilhante de "Nutshell", replicada do Acústico MTV do grupo e depois "Squeeze Box", do The Who.

A maioria da platéia, já chocada com o incrível line-up, acreditava que os dois Alice in Chains eram o final, até que Mick Marts, do Motley Crue surgiu devagarinho, se juntou a Morello, Foreman e toda a banda para tocar "Dr. Feelgood" e "Girls, Girls, Girls". Beirava o excesso quando Slash apareceu para ajudar Morello e Cantrell a tocar "Jailbreak", do AC/DC. A noite continuou com mais da jam e uma aparição tardia de Wayne Kramer, do MC5, para tocar com "Kick out the Jams" com o gigante grupo.

Quase à uma da manhã, Morello chamou todo o line-up da noite de volta ao palco para tocar o definitivo hino estadunidense "This Land is Your Land", de Woddie Guthrie. Morello, sempre articulado e contemplativo, implorou para o público acompanhar a emocionante letra e "se agarrar na roda da história e reconquistar sua terra". Cada verso foi cantado por um músico diferente, com Tim Robbins e Farrell no comando e Slash fazendo intermitentes solos com uma levada sulista. A platéia balançou por mais de dez minutos antes de agradecer graciosamente aos artistas pela inesquecível noite musical.