Sónar SP: Totally Enormous Extinct Dinosaurs encerra atividades do palco Village

Misturando diversos gêneros do eletrônico, o britânico fez um set autoral

Stella Rodrigues Publicado em 13/05/2012, às 10h06 - Atualizado às 12h16

Totally Enormous Extinct Dinosaurs no Sónar

Ver Galeria
(2 imagens)

Dá para afirmar com certa tranquilidade que um nome que chamou bastante atenção no line-up do Sónar foi o do Totally Enormous Extintc Dinosaurs. Talvez não pelos motivos tradicionais, mas porque não tem como não ficar curioso com um pseudônimo desses. Ele pertence ao britânico Orlando Higginbottom, DJ e produtor em ascensão que fez um set bastante autoral para encerrar a programação do Sónar Village.

Com alguns EPs lançados e um disco previsto para sair mês que vem (Trouble), o TEED conseguiu empolgar uma pista ainda cheia, mesmo que já fosse quase de manhã. A mistura ampla de influências eletrônicas do artista, pela primeira vez no Brasil, agradou mesmo quem já estava cansado - embora o clima geral do evento fosse de fim de festa, com muita gente sentada, deitada e até dormindo pelos cantos, muitos continuaram dançando ao som de faixas como “Household Goods” e “Garden”. O clima era tão de “já acabou” que até mesmo as câmeras e os telões foram desligados no meio da performance.

O show foi pontual, começou às 4h e terminou às 5h, já que a produção foi encurtando as performances ao longo da noite, de forma que o atraso inicial do palco, de quase uma hora, fosse sanado. Dois momentos foram bem aplaudidos, um deles “extramusical”: o espaço Sónar Village, em alguns momentos, ficava iluminado demais, isso desde o primeiro show da sexta, 11. “Eu quero que as pessoas se sintam livres para dançar, temos como apagar esse monte de luzes?”, pediu. “Não são 4h da tarde, são quase 5h da manhã”. O outro foi quando ele soltou um samba eletrônico bastante divertido, enquanto uma bandeira do Brasil estampava o telão atrás dele.