Turnê com o Linkin Park “mudou a vida” de Gerard Way, ex-My Chemical Romance

Cantor se casou após realizar último show do Projekt Revolution, festival organizado pela banda liderada por Chester Bennignton

Rolling Stone EUA Publicado em 26/07/2017, às 12h52 - Atualizado às 14h57

Gerard Way e Chester Bennington

Ver Galeria
(3 imagens)

Gerard Way falou sobre o finado Chester Bennington em uma entrevista recente, dizendo que o Linkin Park “mudou [sua] vida” ao incluir o My Chemical Romance no festival Projekt Revolution. “Eu encontrei minha esposa [Lyn-Z, baixista do Mindless Self Indulgence] na turnê”, disse, ao Nerdist. “Nós temos uma vida maravilhosa e uma filha. Minhas memórias do período em que encontrei Linds estão ligadas ao Chester e à banda dele.”

“Ele estava no meu casamento”, continuou. “Poucas pessoas estavam lá porque fizemos uma cerimônia rápida no fim da turnê [do Projekt Revolution], quando metade do pessoal já tinha ido para casa. Então tinha apenas umas 30 ou 40 pessoas, e ele estava entre elas.”

LEIA TAMBÉM

Linkin Park solta comunicado oficial sobre a morte de Chester Bennington

Flashback: Assista a Chester Bennington e Chris Cornell cantando “Hunger Strike”

A potência vocal de Chester Bennington em dez músicas do Linkin Park

O Linkin Park criou o Projekt Revolution em 2002, festival que recrutava bandas alternativas de metal, rock e hip-hop para turnês especiais. O My Chemical Romance, que era liderado por Way, integrou o giro de 2007. No final do último show, ele se casou com Lyn-Z no backstage.

Bennington comentou com orgulho sobre ter feito o papel de cupido para o casal, durante uma entrevista com a Rolling Stone EUA em 2008. “Fico muito feliz. Gerard e Lyn-Z se reencontraram e acabaram se casando, acho isso incrível.”

Way, que tem se aventurado no mundo dos quadrinhos nos últimos anos, contou ao Nerdist que estava “devastado” com a notícia sobre o suicídio de Bennington, que aconteceu na última semana. Ele afirmou que deseja falar sobre saúde mental em uma de suas histórias, Doom Patrol, da DC Comics.

“É muito triste”, disse. “Acredito que seja muito sobre saúde mental, e é um assunto que eu sempre quis abordar em Doom Patrol, então acredito que iremos ver muito mais disso agora. Eu já tive depressão, passei por tempos difíceis e por terapia. Com certeza consigo aplicar isso aos personagens.”