Pulse

Último episódio de Game of Thrones: final "raiz" tem muito papo, mortes, traições e surpresas

Como chegou ao fim a oitava e última temporada da série com a resposta de quem vai sentar no Trono de Ferro, afinal

Pedro Antunes Publicado em 19/05/2019, às 23h21

None
Daenerys e Jon Snow, em cena do último episódio de Game of Thrones (Foto: HBO / Divulgação)

[ATENÇÃO: O texto abaixo contém informações sobre o último episódio de Game of Thrones]

Fenômeno cultural, comentado inclusive por quem não gosta (em já clássicos posts nas redes sociais com algo como "só eu que não gosto de...") e responsável por dar nome 4,5 mil bebês só nos Estados UnidosGame of Thrones chegou ao fim na noite deste domingo, 19, na tela da HBO, com sangue, traições e surpresas. Foi um episódio "raiz", por assim, dizer, dentro do espectro narrativo que a série acostumou seu público.

+++ Game of Thrones: 5 vezes que choramos no penúltimo episódio

E embora uma petição tenha sido criada pelos fãs de Game of Thrones para que a HBO refaça a oitava temporada, isso é mais do que improvável. Portanto,  vamos logo ao que interessa, a pergunta que todo mundo faz desde o início da série: quem ficou no Trono de Ferro. Oito temporadas e 71 episódios depois, o escolhido é...

E o Trono de Ferro vai para…

Bran. Sim, Bran Stark! O rapaz que perdeu o movimento das pernas ao ser empurrado do alto de uma torre depois de flagrar a transa entre os irmãos Jaime e Cersei Lannister, que viveu uma longa jornada até o outro lado da muralha, em busca de um homem chamado Corvo de Três Olhos e que, por fim, tomou o lugar e assumiu para si essa personalidade, com poderes de viajar pelo tempo e pelo espaço e ainda ser capaz de entrar nos corpos de animais e alguns humanos.

Numa bizarra sequência de fatos (vamos chegar a eles mais para frente), um conselho liderado por Sansa Stark, com a participação de gente como Tyrion Lannister, decide por meio de uma votação que Bran deveria ser o novo Rei de Westeros.

Todo o arco narrativo criado por David Benioff e D. B. Weiss para o personagem não o preparou para isso. Mas, ao final da oitava temporada, já eram poucos os bons postulantes ao Trono de Ferro ainda capazes de governar. De qualquer maneira, os "poderes mágicos" do jovem Stark podem vir a calhar em momentos de intrigas, novas guerras, etc.

Mas até a chegada de Bran ao Trono de Ferro muito aconteceu no último episódio de Game of Thrones. Vamos aos principais acontecimentos da despedida da adaptação dos livros As Crônicas de Gelo e Fogo, de George R. R. Martin.

A Rainha Louca

O sexto e último episódio da oitava temporada já mostra, logo no início, que uma das teorias dos fãs estava furada - muitas delas estarão, como vocês poderão ver. Tyrion, Davos e Jon Snow caminham pelo que foi a Fortaleza Vermelha uma dia e lá Tyrion encontra a mão do seu irmão Jaime. Ele descobre que ambos, Jaime e Cersei, morreram soterrados, apesar dos esforços do irmão mais novo em salvá-los.

Pouco depois, os três encontram Verme Cinzento e mais soldados Imaculados encurralando dissidentes do exército Lannister. Pedem para que Verme Cinzento pare, afinal, os Lannister já estavam rendidos, mas ele garante que tem ordem da rainha para matá-los.

O que já estava claro no episódio anterior, a loucura de Daenerys, se mantém aqui. Se antes, ela queimou a cidade de Porto Real inteira com o fogo do seu dragão Drogon, ela agora quer aniquilar qualquer um que se oponha a ela. Sim, muita gente vai reclamar, mas Daenerys sairá como a vilã de Game of Thrones depois de tantas temporadas como uma das suas heroínas.

Ao discursar sobre como "libertou" a população de Porto Real, depois na verdade massacrá-la, Daenerys mostra que não tem mais capacidade de governar com sanidade e provoca um alerta em Tyrion. Ele entende que de fato Jon, o verdadeiro herdeiro do Trono, deveria estar ali.
Ele, por sinal, é o próximo alvo da nova rainha. Ela havia ameaçado Tyrion caso se sentisse novamente traída por ele: ele seria levado à prisão e à morte caso repetisse. Ao libertar Jaime para tentar convencer Cersei a libertar Porto Real e se render à Mãe dos Dragões, ele novamente traiu Daenerys.

Ao acusar Daenerys de assassinar tantas pessoas, Tyrion tira o símbolo de mão da rainha e renuncia ao cargo. Dany o manda para a prisão por isso.

Um novo regicida

Jon, enfim, vê Daenerys como ela realmente é. Tyrion mostra ao rapaz que a família Stark jamais teria paz já que ele se mostrava ser uma ameaça ao trono dela, já que tem sangue Targaryen correndo em suas veias.

E é interessante que talvez o personagem mais honrado de Game of Thrones seja o responsável por matar a nova rainha. É ele quem, depois de um emocionante diálogo com Daenerys apunhala a Mãe dos Dragões.

Antes dos acontecimentos de Game of Thrones, é bom lembrar, o pai de Dany, Aerys, era conhecido como Rei Louco e foi morto por Jaime Lannister durante a rebelião que acabou com o reinado dos Targaryen e colocou Robert Baratheon no trono.

Desta vez, Drogon invade o salão, queima o Trono de Ferro e leva Daenerys embora. É um fim trágico para uma personagem que ao longo de oito temporadas reuniu as esperanças de uma Westeros mais justa, que libertou escravos, mas também vitimou pessoas inocentes no meio do caminho.

O destino de Jon Snow

Com a traição máxima de Jon Snow, um novo conselho é formado para decidir pelo novo ou nova governante de Westeros, com a presença de Sansa Stark e outros personagens importantes para a série. Curiosamente, Sam sugere uma votação para a escolha do novo rei ou da nova rainha, mas a ideia é rejeitada. Em votação, Bran é escolhido - sim, pois é.

Diferentemente do desfecho para a história de Daenerys, bastante decepcionante, a história de Jon Snow condiz com aquilo que foi criado ao longo da série. Ele, com sangue Targaryen no corpo, é também o assassino da então rainha, e recebe a opção de ter a vida poupada, mas tornando-se novamente um exilado e integrante da Patrulha da Noite, exército o qual serviu desde a primeira temporada.

Assim, Jon Snow volta ao norte, volta à patrulha e para a companhia do lobo gigante Fantasma.

Os outros ciclos dos personagens também são satisfatórios, embora pouco surpreendentes Sansa se torna a governante de Winterfell - e convence Bran a libertar o norte como um reino independente, Arya decide explorar o que há à oeste de Westeros, um lugar ainda inexplorado nos livros e na série. Sam Tarly torna-se o grão-mestre, Verme Cinzento volta às terras do leste para liberar mais escravos e Tyrion é escolhido por Bran para exercer novamente a função de Mão do Rei.

Assim, Game of Thrones chega ao fim da forma mais apática possível, justamente na questão mais importante da história. O Trono de Ferro é ocupado por alguém que jamais buscou tê-lo - e é também um personagem bastante estéril. Há quem vá questionar o final dado a Daenerys, mas o caminho trilhado por ela não parecia ter volta.

Mas, depois de tantos episódios mornos e decisões de roteiro fáceis, Game of Thrones volta a trazer surpresas (boas e ruins), traições e mortes. Os personagens, queridos ou não, são peças nesse tabuleiro pelo trono. E, no fundo, o mais improvável deles é quem ocupará o lugar de destaque.

E ainda será possível descobrir como será o final da história criado por George R. R. Martin já que, para ele, Game of Thrones deveria ter mais temporadas para contar a história completa que estará em seus livros.