Um ano depois de protesto, integrante do Pussy Riot diz não estar arrependida

"Muitas pessoas que não conheciam o problema ficaram sabendo disso", disse Yekaterina Samutsevich sobre a relação entre o governo russo e a igreja

Rolling Stone EUA Publicado em 22/02/2013, às 09h32 - Atualizado às 10h41

Yekaterina Samutsevich (Pussy Riot)
AP

A integrante do Pussy Riot Yekaterina Samutsevich marcou o aniversário do famoso protesto do grupo em uma catedral de Moscou dizendo à agência Associated Press que “não se arrepende da performance”. Embora Samutsevich e duas companheiras de banda tenham sido presas, ela diz que a ação delas criou consciência na Rússia de quão próximos são governo e igreja ortodoxa.

Leia textos das edições anteriores da Rolling Stone Brasil – na íntegra e gratuitamente!

"Muitas pessoas que não conheciam o problema ficaram sabendo disso: do problema na nossa sociedade, na igreja russa", ela disse.

Samutsevich, Nadezhda Tolokonnikova e Maria Alekhina fizeram um protesto com uma "oração punk", no ano passado, contra o presidente russo Vladimir Putin, quando ele entrava em campanha para a reeleição. Todas as três foram presas sob acusações de vandalismo e, depois de serem levadas a um julgamento amplamente ridicularizado como um show político, elas foram sentenciadas a dois anos de prisão.

Com um recurso, Samutsevich foi libertada em outubro, mas o apelo de Alekhina de adiar a sentença para poder cuidar do filho de cinco anos foi negado em janeiro. A Rússia, mês passado, também baniu as imagens da performance do grupo. O Pussy Riot alega que a o alvo não era a religião, mas sim expressar as suas preocupações com as conexões entre a igreja e o governo do país.

Embora Samutsevich esteja orgulhosa do que conseguiu o Pussy Riot, ela disse que, em retrospectiva, "deveria ter pensado melhor em uma defesa jurídica".

O grupo é o tema do novo documentário Pussy Riot: A Punk Prayer, que estreou mês passado, no Festival Sundance de Cinema, nos Estados Unidos.