Um filme para fã de Michael Jackson ver

"Mister Lonely", sobre comunidade de sósias de gente pop, está em cartaz no Festival do Rio

Christina Fuscaldo, do Rio, para o site da RS Publicado em 23/09/2007, às 11h52 - Atualizado em 05/11/2007, às 19h20

Imitador de Jackson dança na Escócia, onde também vivem sósias do Papa, da rainha da Inglaterra e de Madonna
Divulgação

Um homem vem se aproximando em uma moto minúscula. Mais de perto, vê-se Michael Jackson, ou melhor, seu sósia. Ele carrega, preso por um fio, um macaquinho de pelúcia. Ao som de "Mister lonely" (Bobby Vinton), a voz do ator mexicano Diego Luna - que pode ser visto também em "O búfalo da noite" e "Um doce aroma de morte", dois filmes baseados em livros do também mexicano Guillermo Arriaga - apresenta o personagem: "Eu sempre quis ser outra pessoa". Assim começa "Mister lonely", de Harmony Korine, que estreou como diretor em "Vida sem destino" (1997) e roteirizou "Kids" e "Ken Park". O filme está sendo exibido dentro da mostra Agnes B do Festival do Rio.

O imitador aparece dançando os passos do ídolo, entre eles o clássico "moonwalk", em uma rua de Paris. É lá que este Michael Jackson mora e que vai esbarrar com a sósia de Marilyn Monroe, na tela interpretada por Samantha Morton ("Minority Report - A nova lei" e "Honra e liberdade"). Ela o convence a abandonar a vida solitária e se mudar para uma comunidade na Escócia, onde vivem diversos imitadores.

Em um lugar onde os Três Patetas, Madonna, Sammy Davis Jr., James Dean, Abraham Lincoln e até o Papa e a rainha Elizabeth trabalham juntos na construção de um teatro, onde acontecerá o "grande espetáculo de imitação", Michael Jackson parece ter finalmente encontrado conforto. Mas, à essa altura, sua amada Marilyn sofre com a desconfiança do marido, um sósia de Charles Chaplin (Denis Lavant). Vale lembrar que o casal tem uma filha que vive Shirley Temple e que, na comunidade, ninguém tem um nome próprio e todos atuam 24 horas por dia.

O tema central é identidade. Ou a crise dela. E a solidão. Não faltam passagens surreais (ou serão óbvias?), como a que mostra a rainha Elizabeth na cama com o Papa ou aquela em que o pequeno sósia de um dos Batutinhas finge ser um galo para cantar uma galinha, entre outras cenas pra lá de abstratas. Entre estas, destacam-se as que formam a trama entrecruzada sobre um grupo de freiras missionárias. Guiadas por um padre (que é interpretado pelo diretor alemão Werner Herzog) em uma floresta tropical, elas presenciam um milagre. Mas fique tranqüilo, no fim, tudo se explica.

"Mister Lonely", de Harmony Korine

Domingo, 23/9

Estação Ipanema 2, às 15h30

Estação Ipanema 2, às 20h

Rua Visconde de Pirajá, 605. Ingresso: R$ 13

Informações: (21) 2279-4603

Sábado, 29/9

Estação Barra Point 2, às 21h45

Avenida Armando Lombardi, 350. Ingresso: R$ 13

Informações: (21) 3419-7431