Lollapalooza 2013: Of Monsters and Men acalma os ânimos com folk doce no festival

Show da banda islandesa beirou o monótono, mas contou com melodias fáceis e apoio do público para ser bem-sucedido

Lucas Reginato Publicado em 29/03/2013, às 16h52 - Atualizado em 02/04/2013, às 19h49

A banda é liderada pela bela Nanna Bryndís Hilmarsdóttir.

Ver Galeria
(5 imagens)

Uma canção folclórica islandesa soou nas caixas de som do palco Butantã do Lollapalooza enquanto os integrantes da banda Of Monters and Men se posicionavam no palco sob o céu nublado de São Paulo. A abertura muito teve a ver com a característica do grupo, que faz questão de reafirmar a gelada origem com bandeiras penduradas pelo cenário.

A resposta do público foi imediata e suficiente para que os músicos notassem logo de cara como são queridos por aqui. Foram acolhidos pelos fãs que mostraram já conhecer o trabalho do grupo desde “Dirty Paws”, a canção de abertura, que foi seguida de “From Finner”. Embora com nomes impronunciáveis, a dupla de vocalistas formada por Ragnar "Raggi" Þórhallsson e Nanna Bryndís Hilmarsdóttir é irresistível e mostrou não só carisma como belos diálogos melodiosos.

Tudo no show dos islandeses conspira para a doçura. A própria incrementação da canções com instrumentos como acordeom e trompete é confortável e desenha um “fofolk” sereno. As melodias parecem todas feitas para serem acompanhadas pelos fãs que não hesitaram em bater palmas e entoar os refrãos de cada canção. Os gritinhos de “hey”, assim como acontece com o grupo norte-americano The Lumineers, com quem são inevitavelmente comparados, são outras artimanhas do grupo que funcionam a todo momento.

É uma excelente fórmula, sem dúvida. A doçura encanta e é agradável aos ouvidos. Mas a repetição de trechos semelhantes em todo o setlist se aproxima perigosamente do monótono. Talvez colabore com isto o fato de quase todas as canções do show são do único disco da banda, My Head Is an Animal, de 2011. A única exceção é “Skeletons”, do Yeah Yeah Yeahs, cover que é tão bem transportada para o universo da banda que pode passar despercebida pelos menos atentos.

Para recuperar momentos menos empolgantes, os músicos distribuem pelo repertório algumas das canções mais conhecidas do público. É o caso de “Mountain Sound” e “King and Lionheart”, mas principalmente “Little Talks”, a mais aguardada. Depois desta, inclusive, parte da plateia incomodada com a chuva fina e já satisfeita deixou o show. Também não demorou muito mais para que os islandeses chegassem ao fim de sua confortável apresentação que abraçou aqueles dispostos a acalmar os ânimos em meio ao clima exaltado do festival.