Sepultura e Tambours Du Bronx fazem o melhor show do palco Sunset neste domingo, 25

Bandas contaram com a participação de Mike Patton, que se apresentou ontem no mesmo palco

Patrícia Colombo, do Rio de Janeiro Publicado em 25/09/2011, às 23h02 - Atualizado em 26/09/2011, às 00h54

Andreas Kisser, guitarrista do Sepultura, durante show da banda no Rock in Rio

Ver Galeria
(2 imagens)

Um dos shows de destaque no dia dos metaleiros no Rock in Rio foi o do Sepultura junto ao Tambours Du Bronx no Palco Sunset, neste domingo, 25, na Cidade do Rock. A apresentação teve mais de uma hora de atraso, mas o encontro eletrizante das duas bandas contribuiu para que as vaias do público tempos antes (por causa da ausência dos músicos no palco) fossem esquecidas.

A apresentação estava programada para as 18h, mas, uma hora depois, nem sinais dos artistas. Vaias e xingamentos foram gritados pela plateia até que Andreas Kisser apareceu e pediu compreensão, já que a organização estava enfrentando problemas técnicos – um deles foi denunciado no próprio microfone de Kisser, já que no início ninguém conseguia ouvir a voz do guitarrista. Nos minutos seguintes os franceses percussionistas do Tambours Du Bronx deram as caras (cada um deles, quase 20 integrantes, posicionados em suas latas-tambores) abrindo o show com “Mixture”.

Às 19h20 o Sepultura entrou no palco, já mandando “Refuse/Resist” para acabar com a insatisfação que reinava no público. Ao longo de uma hora de apresentação, foram executadas faixas do Sepultura e do próprio Tambours Du Bronx. A mistura dos dois grupos ao vivo resultou em um peso maior nas faixas de ambos (sim, isso foi possível) e em um show intenso. Estiveram no set list músicas como “Sepulnation”, “Structure Violence”, “Firestarter” (versão do Sepultura para a caótica faixa do Prodigy) e “Territory”. O ponto alto aconteceu no encerramento, quando Andreas Kisser convocou Mike Patton para participar da última faixa do show, nada menos que “Roots Bloody Roots”. Rodas de bate-cabeça espalhadas pela pista e muita cerveja voando.

Angra

Antes da apresentação do Sepultura, o palco foi ocupado pelos músicos do Angra, que deram as caras às 17h10, com 25 minutos de atraso. Kiko Loureiro e os demais integrantes contaram com o auxílio de Amon Lima (da Família Lima) assumindo o violino em algumas das faixas que fizeram parte do repertório do show. Foram executadas para a plateia de fãs “Arising Thunder”, “Angels Cry”, “Nothing to Say”, entre outras. Como convidada, subiu ao palco a finlandesa Tarja Turunen (ex-vocalista do Nightwish) - pela qual alguns fãs chegaram a chorar. Entre as canções que cantou, esteve “Wuthering Heights”, clássico de Kate Bush (que ganhou versão do Angra nos anos 90), e “Phantom of the Opera”. O show se encerrou às 18h10. Ainda neste domingo, 25, integraram o line-up do palco Sunset Matanza junto a B Negão e Korzus mais o The Punk Metal Allstars.