As verdadeiras histórias sangrentas de contos de fadas infantis: Chapeuzinho Vermelho, Cinderela e mais

Diversas histórias famosas foram adaptadas ao longo dos anos - e as versões originais são assustadoras

Camilla Millan Publicado em 07/03/2020, às 10h00

None
Chapeuzinho e Cinderela (Foto: Reprodução/Disney)

Os contos de fadas que conhecemos hoje nem sempre terminaram em finais felizes e pares românticos. Na antiguidade, quando a noção de infância não era bem determinada e os contos eram passados oralmente, os valores compartilhados nas histórias eram diferentes, sem preocupação com conteúdo violento.

Diversas histórias conhecidas, principalmente, pelas versões dos filmes da Disney, como Cinderela e Chapeuzinho Vermelho, foram registradas séculos atrás, mas eram passadas oralmente há ainda mais tempo. Narrativas atribuídas a Perrault, irmãos Grimm e outros autores eram repletas de assassinatos e (muito) sangue. 

+++LEIA MAIS: Aladdin, Dumbo e Peter Pan: os longas mais preconceituosos da Disney [LISTA]

Além disso, os contos serviam como doutrinadores do povo, principalmente pela lógica da Igreja. Por isso, as histórias estão repletas de simbolismos e valores conservadores do modo como agir em sociedade, principalmente quando diz respeito às mulheres.

Confira as verdadeiras histórias de cinco famosos contos de fadas infantis:

Chapeuzinho Vermelho

Na versão original da história, publicada por CharlesPerrault em 1697, o lobo mata a vovó, mas não a devora. Ao invés disso, o animal fantasiado oferece a carne para Chapeuzinho comer, assim como o sangue, e a menina se alimenta, pensando que se tratava de um animal e vinho.

+++LEIA MAIS: Aves de Rapina, 007 e O Farol: 17 filmes imperdíveis que estreiam em 2020

O lobo também pede para Chapeuzinho ficar nua antes de chamá-la para a cama. Após tirar a roupa e se deitar, a garota é devorada pelo lobo. Na versão da Disney, a garota não é devorada e o animal é morto por um caçador.


Cinderela

No mesmo livro que Chapeuzinho Vermelho foi devorada, Cinderela - ou A Gata Borralheira - perde o sapatinho de cristal no baile. O príncipe procura o dono do objeto, e casará com quem servir. Uma das meia-irmãs malvadas da protagonista corta os dedos dos pés para entrar no calçado. A outra, o calcanhar. No entanto, o príncipe é avisado que o sapatinho estava repleto de sangue, e não as aceita como esposas.

+++ LEIA MAIS: Disney quer recriar animação Irmão Urso nos moldes de O Rei Leão e Dumbo, diz site 

Mais tarde, ao tentarem comparecer à festa de casamento entre Cinderela e o príncipe, as irmãs têm os olhos furados por pássaros. Cinderela também mata a madrasta, quebrando o pescoço dela - tudo isso sem fada marinha, diferente da versão popularizada pela Disney.


A Bela Adormecida

Na história original de 1634, escrita por Giambattista Basile, Aurora espeta o dedo e dorme. No entanto, quando o príncipe chega, não dá um beijo de amor verdadeiro para acordá-la. Na verdade, estupra a garota e vai embora.

+++LEIA MAIS: Kill Bill, Rambo e Pulp Fiction: os 7 filmes mais sangrentos já produzidos [LISTA]

Aurora engravida, dá à luz - tudo isso dormindo - e acorda quando os bebês, famintos, chupam o dedo dela e retiram o linho. Outras versões contam que a garota só acorda com os recém-nascidos comendo o corpo da própria mãe - história muito diferente do amor verdadeiro da versão da Disney.


João e Maria

Na versão dos Irmãos Grimm publicada em 1812, João e Maria são abandonados pelos pais para morrerem de fome na floresta, já que os adultos não possuíam dinheiro para sustentá-los. Após sobreviverem à bruxa e conseguirem retornar à casa, as crianças encontram os pais mortos de fome. Na versão Disney, a história é bem menos melancólica e as crianças conseguem voltar para casa pois a mãe se arrepende.

+++LEIA MAIS: Filme inspirado no conto de João e Maria ganha trailer sombrio e perturbador; assista


Peter Pan

Escrita por J.M. Barrie em 1911, a história original tem vários acontecimentos  muito parecidos com a narrativa da Disney... Mas Peter Pan se encarregava de matar os Garotos Perdidos, quando envelheciam, para evitar a superpopulação da Terra do Nunca.

Também há versões responsáveis por sugerir que o "garoto que não queria crescer" enterrava, diariamente, corpos de crianças e bebês perdidos.

+++LEIA MAIS: Joaquin Phoenix pode ser o novo Capitão Gancho em remake de Peter Pan? Entenda


+++ KAROL CONKA NO DESAFIO 'MELHORES DE TODOS OS TEMPOS EM 1 MINUTO'