Virada Cultural - Vale-tudo

Final de campeonato de luta livre agitou fim de domingo na Virada, com direito a presença de Danilo Gentili

Por Gus Lanzetta Publicado em 18/04/2011, às 00h57

Danilo Gentili encara luta livre na Virada Cultural

Ver Galeria
(6 imagens)

Um ringue no Anhangabaú, próximo ao Viaduto do Chá, serviu de base para lutas da BWF (Brazilian Wrestling Federation) e do CMLL (Consejo Mundian de Lucha Libre), ambos grupos de luta livre, que rolaram durante os dois dias da Virada Cultural, em São Paulo.

Para encerrar a programação, no domingo, 17, foram agendadas, a partir das 16h30, duas partidas da BWF que valiam cinturões e uma apresentação especial com todos os "luchadores" da CMLL presentes.

O "esporte de entretenimento" é sabidamente combinado, uma mistura de novela com lutas de verdade, mas isso não impediu que mais de trezentas pessoas se aglomerassem em volta do ringue, de pé e sentadas nas arquibancadas, desde o começo do evento até o seu fim, depois das 18h - o tempo inteiro torcendo, gritando e provocando os lutadores, tudo num espírito de diversão.

O primeiro embate contou com três brasileiros disputando o cinturão de "Sobrevivente". Os atletas/personagens que o disputar foram Pirata, que foi retirado da área depois de sofrer um corte no rosto; Anjo Loiro, que se esforçou, mas acabou perdendo para Mano Joe, o "heel" (um "vilão" no jargão da luta livre, lutador cuja personalidade e ações são pensados para não terem apoio do público). Mano Joe ao receber o cinturão tentou puxar um grito de "paga pau pra mim" com a plateia, mas somente recebeu vaias, como cabe bem a seu papel.

A última luta dos brasileiros da BWF foi com o atual detentor do cinturão de "Campeão", Chandão, e o diminuto e rápido Sonico, que usa uma máscara no estilo das tradicionais máscaras de luta livre mexicana. Chandão usou um extintor de incêndio para bater em Sonico fora do ringue, o que é permitido, mas quando, de volta no ringue, tentou usar uma cadeira de alumínio como arma, o juiz o avisou que ele seria desclassificado por isso. A reação do brutamontes foi bater tanto em seu oponente como no juiz com a cadeira.

Caído no chão, Sonico recebeu o cinturão e Chandão foi para os fundos do espaço, onde tirou fotos com fãs e deu autógrafos.

Após um intervalo de meia hora, começou a competição dos dez lutadores mexicanos, quase todos mascarados. Todos subiram ao ringue e começou a baderna generalizada; tinha um contra um, três contra dois, enfim, tudo quanto é tipo de pancadaria coletiva.

Dado fim a esta primeira etapa, os lutadores foram separados em duas equipes e lutas convencionais seguiram-se, com muitos saltos e acrobacias que agradaram os presentes.

Ao fim, Terrible foi o vencedor, e o público pareceu satisfeito, por mais que o nome mais berrado do fim de tarde tenha sido o de Scandalo, outro mascarado da CMLL que participou.

Desafiante inesperado

Quando a maior parte do público já havia ido embora ou se enfileirado na saída dos lutadores para pegar autógrafos, o comediante Danilo Gentili, que havia se apresentado no palco de stand-up comedy da Virada, subiu ao ringue com um amigo. Os dois brincaram de lutar, com direiro a um "cuecão" em Gentili, na frente de algumas dúzias de pessoas que, com certeza, ficaram felizes de terem demorado um pouco mais para voltarem para casa.