Virados pela música

Cerca de 4 milhões de pessoas lotaram as ruas do centro de SP para acompanhar a Virada Cultural; Titãs fechou a sexta edição do evento

Por Fernanda Catania e Patrícia Colombo Publicado em 17/05/2010, às 15h59

Atualizada em 17/5, às 15h59

Se engana quem pensa que a segunda parte da Virada Cultural receba menos gente que a primeira. O público - literalmente virado - continuou firme e forte com suas garrafas de plástico de vinho pelas ruas do centro de São Paulo neste domingo, 16. A sensação era de que tudo estava intensificado: o sono (era possível ver gente dormindo em todos os cantos do centro), a bebedeira, o acúmulo de lixo e o mau cheiro que dominava o ar da região.

A Virada Cultural 2010 reuniu cerca de 4 milhões de pessoas - mesmo número que o ano passado -, segundo informou a assessoria de imprensa da Prefeitura de São Paulo. A sexta edição do intensivão cultural teve seu perímetro aumentado, com atrações na Júlio Prestes e na Luz - mudança que deve ser mantida na próxima edição do evento, segundo anteciparam os organizadores, em coletiva de imprensa realizada às 14h deste domingo.

Segundo o porta-voz da SP Turis, responsável pela infraestrutura do evento, até o momento da coletiva foram feitas 23 remoções em ambulância e 280 atendimentos médicos, além de um registro de morte de um jovem de 17 anos que teria morrido, no início da madrugada deste domingo, 16, por conta de uma briga que aconteceu na avenida São João. Segundo o jornal Folha de S.Paulo, ele se chamava Alexandre e foi ferida com uma faca na região do tórax. Agora, a Secretaria de Estado da Segurança Pública investiga o caso.

Diferente da noite deste sábado, 15, em que as atrações mais aguardadas eram internacionais (confira a cobertura de sábado aqui), o destaque deste domingo, 16, foram as bandas brasucas. O Palco Rock ferveu com shows de Pitty, CPM 22 (só Ramones), Raimundos, Arnaldo Antunes e Titãs, que finalizou a sexta edição da Virada Cultural. Confira abaixo como foram alguns dos principais shows:

Palco Rock, av. São João - Pitty, às 9h30

"Bom dia para quem acordou, bom dia para quem ainda não dormiu", disse Pitty pouco depois de subir ao palco. Antes das 9h30 a cantora já havia começado o show, para desespero daqueles que ainda estavam no início da avenida São João. Já os fãs mais previnidos se espremiam na primeira fila para ver a cantora de perto, enquanto levantavam cartazes e camisetas com seu resto estampado. Pitty, que vestia um pijama com desenhos de cachorros - traje bastante apropriado para um domingo de manhã -, se mostrou muito feliz com a multidão que cantava em uníssono todas suas letras. Além das músicas do último disco, Chiaroscuro, como "Medo", "Água Contida" e a tão aguardada "Me Adora", a roqueira cantou hits mais antigos, como "Máscara", "Admirável Chip Novo" e "Equalize". A banda ainda apresentou uma versão lenta de "Another Brick in the Wall", do Pink Floyd.

Palco Rock, av. São João - CPM 22 - Só Ramones, às 11h30

O CPM 22 subiu ao palco para fazer uma homenagem à banda de punk rock Ramones, tocando clássicos como "Blitzkrieg Bop", "Rock 'n' Roll High School" e "Psycho Therapy". "Quem não gosta de Ramones, bom sujeito não é", disse o vocalista Badauí em um dos vários momentos em que falou com a plateia. Apesar de saber cantar a maioria das músicas, o público não parecia muito animado com a apresentação, a não ser em dois momentos: quando a clássica bola gigante com o logo da banda foi jogado para a multidão e quando Pitty entrou no palco para cantar "The KKK Took My Baby Away" com Badauí. Depois, o grupo tocou algumas composições próprias como "O Mundo Dá Voltas" e "Regina Let's Go", a mais pedida pelo público.

Palco Rock, av. São João - Raimundos, às 13h30

Raimundos fez um show incendiário na manhã deste domingo. Quem esperava para ver Tico Santa Cruz nos vocais pode ter se decepcionado, mas, o que pareceu foi o contrario: a reação era de reverência à Digão, que roubou a cena no palco. Durante quase 1 hora, o guitarrista fazia piadas e conversava com a plateia o tempo todo, tudo regrado, claro, à muito palavrão. No repertório, músicas como "O Pão da Minha Prima" e "Mata o Véio". Em "Rapante", Digão lançou um desafio para o público: "Será que vocês conseguem abrir uma roda aí? Abre aí!", sendo imediatamente obedecido por um grupo de meninos que, mesmo com o pouco espaço, começaram o bate-cabeça. Mais uma vez Pitty subiu ao palco, desta vez para cantar "A Mais Pedida". Mas as mais empolgantes foram "Mulher de Fases", "Esporrei na Manivela", "I Saw You Saying" e "Eu Quero Ver o Oco", que encerrou a apresentação.

Palco Rock, av. São João - Arnaldo Antunes, às 15h30

Arnaldo Antunes vestiu mais uma vez o terno metade verde e metade preto e convocou sua banda, que conta com o ex-guitarrista do Ira! Edgard Scandurra, para a apresentação das faixas do álbum Iê Iê Iê, em show realizado na avenida São João. No clima rock anos 60 com algumas levadas de surf music, o cantor empolgou a rua lotada com músicas como "Invejoso", "Consumado", "Longe" e "Vou Festejar". Em um dos momentos, desceu do palco, atravessou a área de imprensa e foi até a grade junto ao grande público que se aglomerava no local.

Palco Cásper Líbero (Washington Luis) - Mallu Magalhães, às 16h40

A cantora reuniu fãs no espaço dedicado à música independente situado na av. Cásper Líbero, trazendo, além das canções pelas quais atingiu sucesso na internet, faixas que integram seu segundo álbum, homônimo, lançado no final do ano passado. Com um sorrido tímido, a cantora agradeceu diversas vezes pelo carinho dos fãs. "Eu não sou muito boa nessa coisa de falar. Quando começo, falo muito. Mas em poucas palavras, obrigada!", disse. Entre as canções do segundo disco, estiveram "Nem Fé nem Santo", "Compromisso", "Te Acho Tão Bonito" e "Make it Easy" - acompanhadas em coro pelos fãs da grade. "J1", sucesso de Mallu, não ficou de fora do setlist, mas o destaque foi para o momento em que a adolescente executou "La Vie en Rose", conhecida mundialmente na voz da diva francesa Edith Piaf.

Palco São João - Titãs, 17h30

Os Titãs assumiram o palco, apresentando ao grande público - pelo menos parte dele que ainda não tinha conferido os atuais shows da banda - sua nova formação, com Mario Fabre assumindo as baquetas no lugar do baterista Charles Gavin. Faixas do mais recente disco Sacos Plásticos, como "Porque Eu Sei que É Amor" e "Deixa Eu Entrar", marcaram presença, mas foram os clássicos do grupo que empolgaram a imensa quantidade de pessoas. Estiveram lá "Flores", "32 Dentes", "Polícia", "Epitáfio", "Go Back", entre outras. Mãos para o alto, letras das músicas gritadas, pessoas vibrando com o show a partir das janelas dos edifícios localizados na São João. Esta foi a cena que encerrou a Virada Cultural 2010 em clima de rock.