Virtuose, Suavidade e Peso

Power trio cuiabano Macaco Bong faz ótima estréia com sonoridade não convencional

Por Marcelo Viegas Publicado em 17/07/2008, às 18h15

Capa do álbum <i>Artista Igual Pedreiro</i>, debut do trio Macaco Bong
Reprodução

A euforia é compreensível: o debut do Macaco Bong faz jus aos shows intensos do power trio instrumental de Cuiabá (MT). Foi no palco que eles fizeram seu nome, levando sua sonoridade não-convencional aos principais festivais independentes do país. Artista Igual Pedreiro é ao mesmo tempo conciso e diversificado.

Conciso porque é fiel à sua proposta: músicas longas e bem trabalhadas. E diversificado, nos elementos utilizados para preencher essas estruturas típicas do jazz: "Fuck You Lady" começa rock alternativo anos 90 (Farside, Sunny Day Real Estate etc.), escapa para um tema mais virtuoso e ousado, mas retorna à idéia inicial. O processo repete-se em cada uma das dez faixas, em maior ou menor grau, como em "Bananas for You All", que combina guitarras psicodélicas, silêncio quando necessário e experimentação digna do Mars Volta. "Shift" é a nanica do disco, com menos de quatro minutos, e é também uma das mais pesadas, revelando uma bagagem headbanger. Não tão pesada quanto Elma (banda de metal instrumental, de São Paulo), mas essa nem é a intenção deles.

O trio sabe dosar suavidade e peso, conquistando fãs sem precisar abrir a boca. Ou quase: o ouvinte atento encontrará vozes, estrategicamente colocadas nos dois minutos finais do álbum. Um toque de letra no final da partida, permitido ao time que jogou bem nos 90 minutos.